Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Preocupação com crise hídrica é 'justificável', diz governo estadual

Queda na popularidade de Geraldo Alckmin, ligada à falta d'água em SP, não surpreendeu tucanos, que esperavam números piores

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

09 Fevereiro 2015 | 02h01

SÃO PAULO - O governo de São Paulo e o PSDB paulista minimizaram o resultado da pesquisa do instituto Datafolha divulgada neste domingo, 8, que apontou uma queda brusca na popularidade do governador Geraldo Alckmin (PSDB). Em nota, o Palácio dos Bandeirantes considerou "compreensível e justificável" a preocupação das pessoas com o agravamento da crise hídrica.

Os números não surpreenderam o entorno do governador nem os tucanos, que esperavam índices piores diante da agenda negativa imposta pela falta d'água.

O Datafolha registrou que Alckmin perdeu 10% entre os que consideram a sua gestão ótima ou boa. A aprovação foi de 48%, em outubro, para 38% agora. Já a rejeição - ruim ou péssimo - foi de 24%.

Os números são piores do que os registrados em junho de 2013, no auge da manifestações pela redução das tarifas. Para 88% dos paulistas, o governador poderia ter feito mais para evitar a falta de água.

"Podia ter sido pior. A população não debitou na conta do governo a responsabilidade total pela crise hídrica", avalia Felipe Sigollo, secretário adjunto de Desenvolvimento Social de São Paulo e membro da direção executiva do PSDB paulista.

Reservadamente, os tucanos temem que a falta d' água contamine as candidaturas do partido nas eleições municipais do ano que vem no Estado, especialmente na capital.

Durante a campanha, Geraldo Alckmin insistiu que não seria necessário impor um rodízio no Estado e venceu a disputa no primeiro turno. Agora, o governo reconhece que pode decretar um rodízio severo de água já em março.

Pior para o PT. Apesar da queda na popularidade do governador, o PSDB comemorou o desempenho do prefeito Fernando Haddad (PT) na pesquisa Datafolha.

A expectativa na legenda era de que ele tivesse recuperado fôlego. "O prefeito não enfrenta uma crise hídrica nem está envolvido com o escândalo da Petrobrás", pontua o vereador Andrea Matarazzo, um dos nomes cotados para disputar a Prefeitura de São Paulo em 2016.

"Não há uma questão pontual. O problema é ele mesmo. O prefeito é a crise",conclui o tucano. Segundo o Datafolha, o petista sofreu uma queda de 14% na aprovação em relação a setembro do ano passado.

No momento em que Haddad investe em ciclovias e se aproxima de possíveis adversários para pavimentar sua candidatura, o índice de ruim e péssimo foi de 44%. "Nem chuvas fortes ele está enfrentando", diz Matarazzo. Segundo o vereador, os números da pesquisa "não causaram um impacto significativo" para o governador Geraldo Alckmin.

A popularidade do governador dependerá muito das chuvas. No melhor cenário desenhado pelo Palácio dos Bandeirantes não será necessário decretar o rodízio até outubro, quando deve começar a nova temporada de chuvas.

Mais conteúdo sobre:
Datafolha Geraldo Alckmin Crise da água

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.