Prefeituras usam a internet para se aproximar da população

No Rio, por exemplo, o site oficial 1746 recebe denúncias e sugestões

Breno Pires e Diego Cardoso, de O Estado de S. Paulo,

18 de abril de 2013 | 20h14

Algumas capitais brasileiras já desenvolvem projetos para aproximar a população do governo com a ajuda da internet. É o caso do Rio de Janeiro e de Porto Alegre. A Prefeitura do Rio tem um serviço próprio de captação de denúncias e sugestões dos cidadãos, o 1746. Já a capital gaúcha firmou uma parceria com uma iniciativa independente, o PortoAlegre.cc. O 1746 - a central de informações da Prefeitura do Rio - começou a aceitar em 2012 denúncias e reclamações via web. Além do site, a prefeitura mantém um aplicativo, disponível para dispositivos com sistema iOS e Android, para que os cidadãos enviem reclamações e sugestões pelo celular. Segundo os responsáveis pelo portal, em 2013, a taxa de resolução de demandas enviadas pelo 1746 é de 82%.

 

 

O portal carioca atende 1,8 mil tipos de serviço diferentes, desde informação, reclamação e serviço. "O prazo de atendimento pode ser reduzido porque pagamos bônus aos servidores se eles cumprirem a ação antes do tempo estipulado", diz o secretário-chefe da Casa Civil, Pedro Paulo Carvalho Teixeira. Ele aponta que, nos planos da prefeitura, está a expansão do projeto. O objetivo é criar abaixo-assinados ou votações via aplicativos para compreender as necessidades prioritárias de investimento em bairros. "Seriam pílulas de consulta popular via app."

 

Ouça aqui a entrevista com Pedro Teixeira.

 

Em Porto Alegre, desde março de 2011, os moradores podem fazer sugestões, começar campanhas e iniciar discussões sobre a capital gaúcha no PortoAlegre.cc, um portal criado pela startup de tecnologia Lung, em parceria com a Unisinos e com apoio do Executivo local.

As demandas criadas no PortoAlegre.cc relacionadas a serviços são encaminhadas para o Fala Porto Alegre, um canal de atendimento da prefeitura. Já ações que envolvam obras e que precisam de verba são enviadas para o orçamento participativo. "A maior parte das causas colocadas são sobre o cuidado com a cidade, causas colaborativas. Por exemplo: revitalizar uma praça, recolher lixo na beira do Rio Guaíba", explica Cezar Busatto, secretário de Governança Local, órgão que cuida da parceria com o portal.

 

Ouça aqui entrevista com Cezar Busatto.

 

O PortoAlegre.cc foi acessado por mais de 170 mil usuários até agora. "O objetivo é não só fortalecer a cidadania, mas também o comprometimento social e a ideia de compartilhamento de responsabilidades", diz Maria Clara Aquino, uma das integrantes da equipe do PortoAlegre.cc.

O Estado fez uma entrevista via Hangout com dois integrantes da equipe do PortoAlegre.cc, Daniel Bittencourt e Domingos Secco. Veja aqui a conversa.

 

 

Recife. Procurada pelo Estado, a Prefeitura do Recife (PE) afirmou que pretende lançar um projeto parecido com o 1746, do Rio. O Recife Atende foi apresentado durante a campanha eleitoral do prefeito eleito Geraldo Júlio (PSB) em 2012. Trata-se de uma central de atendimento que funcionará na web e em aplicativos para celulares. "Todos os serviços terão um tempo de resposta preestabelecido: 12h, 24h, 48h e daí por diante", diz a prefeitura, por meio da assessoria de imprensa.

 

Hoje, a Prefeitura do Recife se comunica através do link Recife Responde, no seu site, e dos seus perfis nas redes sociais Twitter, Facebook, Instagram e Flickr e Youtube. Há também os números telefônicos de serviços.

 

No projeto do Recife, a experiência desenvolvida pelo Colab pode ser utilizada. O sócio-fundador da rede social Colab, Gustavo Maia, disse que foi procurado por um diretor da empresa de informática da Prefeitura do Recife, Emprel.

 

São Paulo. Já na cidade de São Paulo, iniciativas como o Colab ainda não têm perspectivas de serem utilizadas na administração pública. A Prefeitura de São Paulo conta com vários canais de contato com a população, como o Serviço de Atendimento ao Cidadão. Porém, não menciona o acesso a canais extraoficiais, como o Colab.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.