Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Prefeitura vai tirar calçadas internas do Ibirapuera

Ideia é criar mais espaços permeáveis, trocando asfalto por grama; ação também cumpre acordo firmado com o Ministério Público

Luísa Alcalde / JORNAL DA TARDE, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2011 | 00h00

Para cumprir um acordo que existe desde o início da construção do Auditório Ibirapuera (de autoria do arquiteto Oscar Niemeyer), em 2003, a Prefeitura de São Paulo vai tirar as calçadas internas do parque até o fim do ano e colocar grama no lugar.

O espaço hoje ocupado pelas calçamento ficará destinado a novas áreas permeáveis, conforme exigência prevista no Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público. O documento previa mais 80 mil metros quadrados permeáveis e, até o momento, apenas 17 mil metros quadrados foram implementados pela Prefeitura.

Autorama. Na área onde fica a sede da Guarda Civil Metropolitana (GCM) dentro do parque, há planos de se remover a rua asfaltada e substituí-la por grama ou areia e pedriscos para possibilitar a circulação de veículos de serviço e viaturas da corporação. Outra possibilidade de permeabilização em estudo são as duas baias do autorama, com 5 mil metros quadrados, que antes eram usadas pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran) para exames automotivos.

Essas mudanças foram discutidas há duas semanas na reunião do Conselho Gestor do Parque Ibirapuera (CGPI) e foram apresentadas pelo administrador do local, Heraldo Guiaro. A medida já provocou reações de frequentadores do parque. O aposentado Renato Paulo Castro, por exemplo, caminha todos os dias pelo local e acha que não há necessidade de a Prefeitura gastar dinheiro com essa obra. "Deveriam investir em mais equipamentos esportivos", disse. Da mesma forma pensa o advogado Aleixo Astra. "Tem gente que não vai gostar de ficar pisando na grama misturada ao barro molhado em dias de chuva."

Já Armênia Branco, que também faz caminhadas diárias por determinação médica, vê com bons olhos a mudança. "Parque tem de ter o maior número possível de áreas verdes e gramadas. Concreto deve ficar lá fora." A passeadora de cachorros Patrícia Dutra Gonçalo concorda. "Deveria ser gramado até nas ruas", opinou.

Já em obras. A Assessoria de Imprensa da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente afirmou que a permeabilização do parque vem sendo realizada gradativamente pela administração, de forma a diminuir transtornos para os usuários do local.

Segundo a nota oficial, as calçadas concretadas vêm sendo substituídas por grama e as ruas asfaltadas, por grama e pedrisco. A Prefeitura afirma que essas intervenções já foram realizadas na rua atrás do auditório, na alameda da chamada "Praça do Porquinho" até a Praça da Paz, na alameda lateral ao Pavilhão Japonês, na área da Praça da Paz próxima da lanchonete, na alça do Portão 6 e no estacionamento da antiga Prodam.

A reportagem solicitou entrevistas com o administrador do parque e com o secretário do Verde, Eduardo Jorge, mas a assessoria da pasta informou que os dois não tinham horários disponíveis para dar entrevista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.