Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Prefeitura troca piso do Anhangabaú e estuda mais concessões no centro

Área central da capital já está sem calçamento para as obras de revitalização iniciadas há um mês e com entrega prevista para junho do ano que vem

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

16 de julho de 2019 | 16h57
Atualizado 16 de julho de 2019 | 18h58

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo está estudando um novo pacote de concessões de prédios públicos para a área no entorno do Vale do Anhangabaú, no centro da cidade. A ideia é viabilizar um programa permanente de manutenção do espaço, que está em obras. Além de assumir locais subutilizados, como a Galeria Prestes Maia, que liga o Anhangabaú à Praça do Patriarca, o gestor também poderia fazer shows e eventos no vale. Em troca, ficaria encarregado de zelar por toda a área.

As obras para revitalização estão em andamento. O piso os antigos jardins do Anhangabaú já foram retirados. A Prefeitura deve instalar um novo calçamento, sistema de iluminação e chafariz, além de construir 13 quiosques, que também serão terceirizados. A expectativa é que a obra fique pronta em junho do ano que vem, a tempo de ser apresentada pelo prefeito Bruno Covas (PSDB) em sua campanha para reeleição. A obra está orçada em R$ 80 milhões. O projeto que Covas decidiu tocar havia sido formulado pela gestão de Fernando Haddad (PT).

O término das obras é uma das etapas da proposta de revitalização do centro, mas não é a única. “Nossa tese, sob o ponto de vista do desenvolvimento urbano, é que essa é uma oportunidade de não só requalificar o Anhangabaú mas, no contexto maior de requalificar o centro de São Paulo, colocar alguns equipamentos para funcionar aqui na área central”, disse ao Estado o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Fernando Chucre

Por essa revitalização, paralelamente à reforma e à concessão do Anhangabaú, passa ainda obras de requalificação no calçadão do centro, no Largo do Arouche e os Parques Augusta e Minhocão, além da concessão do terraço do Edifício Martinelli, primeiro arranha-céu de São Paulo.

Chucre cita a Galeria Prestes Maia e o Cine Art-Palácio (local histórico, onde Amácio Mazzaropi estreava seus filmes, que hoje é da Secretaria Municipal de Habitação) como prédios públicos que poderiam ser melhor aproveitados por um parceiro privado, mas afirma que mais locais estão sendo mapeados. Entretanto, o próprio Vale tem seu potencial de geração de receita: com a reforma, o espaço para o público em eventuais shows será ampliado, o que favorece a exploração desse tipo de atividade ali.

O modelo exato dessa concessão não está definido e, segundo Chucre, não precisa necessariamente estar atrelado ao término das obras do Vale -- poderia ocorrer depois. O secretário avalia que essa licitação seria de porte menor do que as grandes concessões da Prefeitura, como o Estádio do Pacaembu e o Parque do Ibirapuera, que sofreram uma série de revezes na Justiça e terminaram estourando os cronogramas originais. 

Por meio de nota, a Prefeitura informou ainda que "a proposta de renovação do Vale alavanca não somente a discussão das formas de uso e da recuperação das estruturas ambientais do espaço público, mas também renova a infraestrutura do Centro", e que o projeto "é parte integrante de um sistema de renovação dos espaços voltados para pedestres em conjunto diversas outras ações em andamento".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.