Prefeitura transporta crianças deficientes sem acompanhamento

Apesar da exigência da presença do monitor, o 'Estado' flagrou veículos só com o motorista

Luciano Bottini Filho, O Estado de S. Paulo

16 Maio 2013 | 10h56

SÃO PAULO - Alunos portadores de deficiência auditiva da rede de ensino municipal são transportados até a porta da escola sem a presença de monitores. A Prefeitura exige que os veículos do sistema de Transporte Regular Gratuito (TEG) tenham um funcionário, além do motorista, para cuidar dos estudantes.

Na escola municipal Neusa Basetto, na Mooca, zona leste da cidade, a reportagem encontrou quatro veículos sem os monitores. Doze micro-ônibus vão para essa unidade de ensino durante a semana. O acompanhamento é importante entre esses tipos de alunos pois eles costumam se movimentar mais e podem se machucar durante a viagem. "Todos os carros são obrigados por ser TEG (a ter monitores). Ela já foi embora", disse o motorista Odair de Souza , de 59 anos. "Eles (alunos) acabam ficando irritados, ficam agitados, devido ao percurso ser muito longo", explica.

 

Segundo os motoristas, nenhum dos responsáveis pelas vans fala libras (a linguagem usada pelos surdos-mudos) - o pouco que sabem é aprendido nas viagens.

A reportagem presenciou a chegada de outras três vans sem um auxiliar de motorista. Em uma delas, houve até briga entre os alunos. Nenhum dos estudantes estava sentado com cinto de segurança. Em alguns dos carros, as janelas tinham insulfilm escuro, o que é proibido pela legislação de trânsito. "Com a obrigação (proibição) do insulfilm, ficou quase inviável. Com a claridade, acaba não vendo o foco da televisão". A TV, segundo o motorista, é usada para acalmar os passageiros.

Outro lado. A Diretoria Regional de Educação Penha identificou, entre as placas citadas pela reportagem, quatro condutores ligados ao TEG. "As escolas estão em constante monitoramento do atendimento feito aos alunos, e todo tipo de irregularidade é encaminhado para o Departamento de Transporte Público (DTP), órgão responsável pela contratação dos serviços", disse a Prefeitura em nota.

Mais conteúdo sobre:
vans escolares deficientes

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.