Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Prefeitura quer ‘zona 50’ em 41 acessos às Marginais, onde 1/10 das mortes ocorrem

Nessas vias, foram registradas 119 das 1.249 mortes do tráfego paulistano em 2014; CET também quer menos acidentes com feridos

Juliana Diógenes e Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

12 de agosto de 2015 | 03h00

SÃO PAULO - As próximas vias de São Paulo que terão a velocidade reduzida para 50 km/h são 41 ruas e avenidas que dão acesso às Marginais do Pinheiros e do Tietê. O motivo da Prefeitura é aumentar a segurança. Levantamento do Estado mostra que a cada dez mortes no trânsito da capital em 2014 uma ocorreu em algum desses endereços. As vias tiveram 119 vítimas, o que representa 9,5% do total de 1.249 pessoas que morreram no trânsito no ano passado.

Além de diminuir as fatalidades, o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, também quer reduzir a quantidade de acidentes de trânsito com feridos nos locais onde a velocidade máxima permitida é de 60 km/h. Em 2014, 2.260 pessoas se machucaram em acidentes de trânsito nos 41 endereços, ou 11,2% dos 23.547 casos semelhantes registrados em todo o Município, no mesmo período.

“Quando conversei com a área técnica da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a preocupação era para que continuasse a diminuição (de velocidade nas vias) onde acontecem mais acidentes. A segunda (preocupação é) tentar fazer a saída das Marginais, já para ir criando uma espécie de rede de ‘zona 50’”, disse Tatto.

De acordo com o secretário, “fica por conta” da companhia o cronograma de reduzir a velocidade de 50 km/h. Ele ainda garantiu que o plano da Prefeitura é irreversível. “A decisão política foi tomada. O conceito e o critério é esse: a redução do número de acidentes.”

Alguns viários, no entanto, já tiveram a velocidade reduzida em 10 km/h. A Avenida Aricanduva, na zona leste, que dá acesso à Marginal do Tietê, teve a medida adotada no dia 3 deste mês. A via teve 13 mortes em 2014. O mesmo ocorreu com a Estrada de Itapecerica, na zona sul, que é interligada com a Marginal do Pinheiros. Lá, 22 pessoas morreram ao longo de 2014.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que tenta barrar na Justiça a redução de velocidade nas Marginais, ainda avalia se vai entrar com alguma medida judicial contra a Prefeitura pela padronização da velocidade. Já o Ministério Público Estadual (MPE) vai decidir até amanhã se abre algum tipo de investigação para apurar a medida no restante da cidade.

Proporção. Para especialistas na área de transporte, a proporção de mortes nos 41 locais é menor do que a quantidade de feridos porque se trata de vias arteriais com semáforos, curvas, canteiros centrais e outros obstáculos nos viários que tornam os acidentes menos fatais. “Existe uma série de fatores como geometria da via e volume de tráfego”, explicou o consultor de Transportes Marcos Bicalho. Mas ele acha “um exagero” os limites de 50 km/h nas vias arteriais da cidade, mesmo admitindo que a medida pode amenizar a quantidade de mortos e feridos.

“Certamente, se manter essa medida, fazer valer, vai ter resultado. Mas o consumo de bebida alcoólica também causa tantos acidentes quanto a velocidade”, afirmou Bicalho.

Para o chefe do Departamento de Medicina de Tráfego Ocupacional da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), Dirceu Rodrigues Alves Júnior, a proporção menor de mortos não quer dizer que as vias não precisem ter uma velocidade de 50 km/h. “A gravidade das lesões nos acidentes vai ser outra. A velocidade é o primeiro fator para desencadear as tragédias no trânsito”, disse o especialista. Ainda, segundo ele, mesmo os motoristas que transgredirem os novos limites “vão desrespeitar, mas em uma velocidade menor do que antes.”

Para ele, a padronização no restante da cidade “é saudável” para a segurança dos motoristas e pedestres, sem prejudicar o trânsito. “O que causa os congestionamentos é o excesso de veículos e não a velocidade máxima que se pode trafegar.”

Tudo o que sabemos sobre:
redução de velocidadeMarginais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.