TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Prefeitura publicará novo edital de privatização do Anhembi; lance mínimo vai a R$ 1,45 bi

Edital sairá no Diário Oficial desta sexta. Tribunal de Contas, que chegou a suspender leilão, recomendou elevação de proposta mínima

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2019 | 23h33

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo publicará nesta sexta-feira, 12, novo edital para alienação da São Paulo Turismo (SPTuris), empresa municipal que tem como principal ativo o Complexo do Anhembi, na zona norte da capital. A privatização passará a ter lance mínimo de R$ 1,45 bilhão, atendendo a recomendação do Tribunal de Contas do Município. O leilão será na B3 (Brasil, Bolsa, Balcão) no dia 16 de agosto às 10h.

A gestão do prefeito Bruno Covas (PSDB) informou que poderão participar do leilão empresas brasileiras ou estrangeiras, instituições financeiras e fundos de investimento em participações (FIPs). Vencerá aquele que oferecer maior valor a ser pago pelo lote único das ações, a partir do preço mínimo estipulado. O TCM chegou a suspender o leilão em maio pedindo ajustes no edital. 

A administração municipal diz que o objetivo da alienação é revitalizar o Complexo do Anhembi. "Ao vender a sua participação societária na empresa a Prefeitura pretende gerar receita para o Fundo Municipal de Desenvolvimento Social investir em áreas prioritárias como, saúde, educação, habitação, mobilidade, assistência social, segurança e investimentos nos campos de atuação das prefeituras regionais", declarou a Prefeitura em nota à imprensa.

A gestão municipal lembra que o novo controlador deverá reconhecer a obrigação de disponibilizar a área do Sambódromo para a realização do Carnaval e de eventos religiosos na cidade.  

O credenciamento das empresas interessadas deve ocorrer no dia 14 de agosto, das 10 horas às 13 horas, sendo que deverão ser entregues dois volumes de documentação: volume 1 com a proposta de preço e volume 2 com a habilitação e garantia de proposta.  

O lance inicial é menor do que o valor que vinha sendo estimado, em 2017, pelo então prefeito João Doria (PSDB), que começou a formular o edital da alienação. Ele avaliava que o complexo, sozinho, tinha potencial de arrecadar R$ 2,5 bilhões. A proposta de a Prefeitura se desfazer do Anhembi vinha sendo discutida desde 2013.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.