Prefeitura promete trocar binóculo por GPS e quadruplicar medição de trânsito

Extensão de vias monitoradas subirá de 868 km para 3,3 mil km; hoje, marronzinhos calculam lentidão em cima de prédios e viadutos

BRUNO RIBEIRO, CAIO DO VALLE, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2013 | 02h03

Criticado há anos por especialistas por ser obsoleto e não refletir a realidade do trânsito da cidade, o sistema de medição dos índices de congestionamento da capital vai mudar e a extensão das vias monitoradas, quase quadruplicar. Em vez de marronzinhos de binóculos, serão usados GPSs em carros.

A proposta é de observar 3.304 quilômetros de ruas. Atualmente, o serviço de informação da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informa, em seu site e à imprensa, a situação de 868 quilômetros (os principais corredores).

Com câmeras de monitoramento, a extensão das vias monitoradas pela companhia chega a 1.450 quilômetros lineares, mas não inclui a maior parte das vias localizadas fora do centro expandido da cidade. "A ideia é fazer convênios com empresas que já têm esse serviço, para não gastar muito dinheiro e dar um quadro mais geral da cidade", disse na quinta-feira o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, em entrevista exclusiva ao Estado.

O monitoramento eletrônico é feito com informações colhidas de GPSs de carros. Remotamente, o posicionamento dos carros é transferido a uma central, que mede a velocidade percorrida por veículo em determinada via. Se a velocidade está muito baixa, o sistema identifica um congestionamento e mede sua extensão. Sem definir prazos e custos, a promessa da Prefeitura é fornecer essas informações na página da internet da CET até o fim da gestão Fernando Haddad (PT), em 2016.

O modelo de medição atual utiliza os Postos Avançados de Campo (PACs) da CET. Nele, agentes fazem uma medição visual da extensão da lentidão, usando como referência, por exemplo, a distância entre os cruzamentos de determinadas vias. Esse padrão de medição é o mesmo desde a década de 1980.

Invisível. Embora o atual modelo seja avaliado como "preciso" por especialistas, a crítica é que ele reflete uma realidade parcial da cidade. Diversas avenidas, especialmente fora do centro expandido (e da vista dos agentes), criam um "trânsito invisível", enfrentado por toda a cidade, mas fora da medição oficial - às 16 horas de sexta-feira, por exemplo, em plena tarde de chuva, a CET apontou 91 km de filas na cidade, enquanto a Maplink, principal empresa de monitoramento eletrônico, registrava 411 km de lentidão.

Serviços. O uso de GPS para monitorar o trânsito - fornecido por empresas como Google, Nokia e MapLink - permite uma série de serviços adicionais ao cliente, como marcação no mesmo mapa da velocidade da via (identificada por cores conforme a lentidão), da existência de semáforos quebrados, de acidentes e até de pontos de alagamento.

O presidente da MapLink, Frederico Hohagen, destaca que o serviço público pode criar outras funções com a ferramenta, como identificar o comportamento dos carros em uma via para prever se, nos instantes seguintes, haverá criação de gargalo. Dessa forma, os gestores têm capacidade de mobilizar agentes municipais para resolver o problema. Ele diz que sua empresa já se reuniu com a Prefeitura, mas ainda não há nenhum acordo firmado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.