Prefeitura libera estacionamento de fretados em festa religiosa

Milhares de fiéis são esperados em megatemplo do Cambuci para comemorar 50 anos da Igreja Deus É Amor

O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2012 | 03h01

O prefeito Gilberto Kassab (PSD) autorizou ontem o estacionamento de centenas de ônibus fretados durante o feriado prolongado de Corpus Christi no entorno do megatemplo da Igreja Pentecostal Deus É Amor, no Cambuci, centro da capital. São esperados milhares de fiéis no local entre amanhã e domingo para comemorar os 50 anos da igreja fundada pelo pastor David Miranda.

Com exceção da Avenida do Estado, os veículos poderão estacionar em nove vias da região, como a Avenida Presidente Wilson e as Ruas Palmares e Barão de Resende. A festa do Jubileu de Ouro terá cultos diários, barracas de comida e artigos religiosos, apresentações musicais e uma marcha, a partir do meio-dia de domingo. O trajeto terá 2,4 km. A caminhada seguirá do templo até a Rua do Lavapés.

A Prefeitura não divulgou a expectativa de público - apenas classificou o evento como de grande porte, por causa do intenso fluxo de veículos que deve atrair. Além de ônibus, são esperados centenas de carros no interior da igreja, que tem cerca de 800 vagas.

Para evitar transtornos, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) vai monitorar o trânsito durante a realização das atividades religiosas, que têm previsão de término sempre às 20h. A organização da festa também estabeleceu regras para a identificação e liberação dos veículos, que terão acesso restrito ao bolsão de estacionamento. Caravanas que trarão fiéis do Norte do País, por exemplo, devem ter placas verde-escuras. Já a ordem para os ônibus do Centro-Oeste é portar placas roxas. Apenas os veículos regularizados terão acesso às vias.

Considerado o maior do Brasil, com 70 mil m² de área construída, o templo (que é a sede mundial da igreja) comporta mais de 36 mil pessoas sentadas.

Marcha. O Jubileu de Ouro "substitui", neste ano, a Marcha para Jesus, tradicional evento evangélico realizado geralmente no dia de Corpus Christi. No ano passado, a organização diz ter levado 5 milhões de pessoas às ruas da zona norte da cidade.

A Prefeitura informou que a mudança na data da marcha deste ano, adiada para 14 de julho, não teve relação com o aniversário de 50 anos da Deus É Amor. Segundo a administração municipal, a discussão sobre a definição da data é antiga e passa pela existência de um feriado católico na mesma época e pela própria logística da cidade.

"Por isso, será testado um modelo que funcione no primeiro ou no segundo sábado de julho, período de férias escolares", afirma a Prefeitura./ADRIANA FERRAZ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.