Prefeitura libera carros em corredores até 2014

Circulação em via de ônibus fica liberada entre 23h e 4h; táxis podem usar em qualquer horário, sempre com passageiro

O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2012 | 03h05

A Prefeitura liberou até 2014 o uso dos corredores de ônibus por carros de passeio durante a madrugada, fins de semana e feriados. A liberação está em portaria da Secretaria Municipal de Transportes publicada ontem no Diário Oficial da Cidade.

Pelas regras da Prefeitura, os carros estão liberados para circular entre 23 horas e 4 horas do dia seguinte nos dias úteis. Nos sábados, a liberação começa às 15 horas e vai até as 4 horas da segunda-feira. Já nos feriados, os corredores estão livres para os carros entre a meia-noite e 4 horas do dia seguinte.

A liberação já estava em vigor na cidade, mas tinha de ser renovada, por portaria, a cada seis meses. No texto publicado ontem, ficou determinado que essas regras vão valer até as 4 horas do dia 30 de setembro de 2014.

Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, a autorização é resultado de um estudo sobre o uso dos corredores. O estudo determinou também que alguns trechos terão presilhas fixadas no asfalto, para impedir a invasão das faixas durante o dia.

Táxis. Os táxis também ficaram autorizados a continuar usando os corredores exclusivos de ônibus até 2014. Eles não precisam respeitar horários: basta estar com passageiro. Uma exigência é não ter película escurecendo os vidros (que impedem os fiscais da CET de verem o interior do carro). A medida atende uma reivindicação antiga dos taxistas, que passaram a gestão Gilberto Kassab "reféns" da prorrogação da liberação de circulação, renovada a cada seis meses.

Taxistas e motoristas que usam os corredores nos fins de semana, no entanto, precisam ficar atentos. A maior parte das vias exclusivas tem velocidade máxima regulamentada em 50 km/h e radares. / B.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.