Prefeitura interdita imóveis comerciais em Moema

Só consultórios, escritórios, estacionamentos, bancos e consulados podem se fixar no local

Ana Carolina Moreno, Jornal da Tarde

19 de outubro de 2007 | 17h55

Pelo menos 25 imóveis foram interditados pela Prefeitura de São Paulo desde a madrugada desta sexta-feira, 19, por falta de licença de funcionamento. Do total, 22 estão na Avenida dos Eucaliptos, em Moema, Zona Sul, e três no Largo General Osório, na Luz, região Central. A intervenção em Moema tem por objetivo fechar estabelecimentos comerciais que infringem a legislação de zoneamento. Pela norma, apenas consultórios, escritórios, estacionamentos, bancos e consulados, além das residências, podem se fixar na via, que, desde 2003, ganhou a categoria Zona de Centralidade Linear (ZCLz -II). Nesta sexta, dos 48 notificados pela Subprefeitura de Vila Mariana segunda-feira, apenas 14 permaneceram abertos por terem conseguido liminar judicial. Entre eles estão imóveis que se encaixam na categoria e duas escolas. Uma delas, que atuava no local antes da mudança na legislação, adquiriu o direito de manter as portas abertas. A outra deve funcionar apenas até o fim do ano letivo. A Subprefeitura informou ainda que 12 imóveis fecharam por iniciativa própria após ter o pedido de liminar indeferido. O restante, a maioria restaurantes e salões de beleza, amanheceram com lacres e faixas do governo municipal nas grades.

Tudo o que sabemos sobre:
interdiçãoSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.