EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO
EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO

Prefeitura de SP instala chip em bueiros contra enchentes

Sensor instalado na lateral das bocas de lobo avisa se há alguma obstrução para a passagem de água da chuva no local

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

07 Dezembro 2015 | 21h16

Alvo de críticas todo verão por causa das enchentes, a Prefeitura de São Paulo instalou sensores em cerca de mil bueiros para ajudar na prevenção a alagamentos na capital paulista neste ano. Na prática, o chip instalado na lateral das bocas de lobo avisa se há alguma obstrução para a passagem de água da chuva no local. A informação é recebida por uma central de monitoramento, que envia equipe de limpeza ao equipamento. 

A medida é uma das ações previstas na “Operação Chuvas de Verão”, anunciada nesta segunda-feira, 7, pela gestão Fernando Haddad (PT). Os sensores foram instalados nas regiões mais críticas da cidade, que tem mais de 420 mil bueiros. Segundo a Prefeitura, foram identificados 287 pontos de alagamento, onde ficam cerca de 7.400 bocas de lobo, das quais 70% devem ser avaliados semanalmente.

Por causa do fenômeno El Niño de intensidade moderada a forte, o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Prefeitura trabalha com a perspectiva de chuvas acima da média histórica até abril de 2016, temperaturas elevadas e ventos fortes. Para a vice-prefeita Nádia Campeão, esse cenário deve provocar novos alagamentos e quedas de árvore, o problema mais grave do verão passado, quando mais de 1.700 árvores caíram na cidade.

“Se tivermos chuva com vento forte, vai voltar a cair árvore na cidade. O ano passado foi surpreendente. Neste ano estamos mais preparados e fizemos um trabalho preventivo para diminuir o prejuízo à população”, disse. Ela destacou que a Prefeitura investe R$ 4,8 bilhões em 13 obras de drenagem, das quais apenas três estão em andamento e devem surtir efeito já neste verão: Córrego Ponte Baixa, Córrego Cordeiro (zona sul) e Córrego Sumaré/Água Preta (zona oeste). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.