Prefeitura fará parceria com catadores para aumentar reciclagem em SP

Objetivo é contar com trabalho de 2 mil pessoas para elevar reaproveitamento de resíduos sólidos em São Paulo de 1% para 10%

Luciano Bottini Filho, O Estado de S. Paulo

18 Dezembro 2013 | 12h42

SÃO PAULO - O prefeito Fernando Haddad (PT) anunciou nesta quarta-feira, 18, que adotará um modelo de parceria com os 2 mil catadores da capital para multiplicar por dez a capacidade de reciclagem de resíduos sólidos na capital até 2016 com triagem mecanizada. Além disso, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) fará um investimento de R$ 40 milhões a fundo perdido para as centrais de triagem da cidade.

Os catadores de São Paulo temem que os novos centros de processamento automático diminuam a sua fonte de renda, já que precisam de menos trabalhadores. Hoje, São Paulo recicla 1% dos resíduos sólidos. Com os novos centros, a perspectiva da Prefeitura é atingir a meta de 10% do material descartado.

A Prefeitura agendará reunião com os trabalhadores em janeiro, antes da inauguração de dois novos centros de processamento mecanizado na capital, em maio. Cada um deles tem a capacidade dos 20 centros manuais em funcionamento na cidade. A previsão que sejam instalados quatro novo centros para expandir a capacidade de processamento até 2016. " A meta para 2016 já está quase contratada", afirmou Haddad.

O anúncio do prefeito foi feito na abertura do Expocatadores na manhã desta quarta, no Centro de Exposições Anhembi. "A mecanização não é para substituir, é para aumentar a renda e incluir mais pessoas nesse setor", afirmou o prefeito.

Mais conteúdo sobre:
reciclagemmecanizadacatadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.