Prefeitura estuda firmar PPP de olho na Copa do Mundo

Dois quiosques na areia por uma estrutura com "porta dupla" no calçadão. Mesmo sem data para ser executado, o projeto desenvolvido pela prefeitura do Guarujá (veja quadro ao lado) começa a ganhar forma. Com o aval da associação que representa os comerciantes, o modelo quer devolver aos moradores a vista do mar e oferecer maior conforto aos turistas - com banheiros e duchas. Se aprovado, pode ser entregue à iniciativa privada.

O Estado de S.Paulo

12 Novembro 2011 | 03h04

A ideia de terceirizar a construção das novas unidades por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP) ainda é extraoficial, mas ganha força com o argumento de que o acordo pode adiantar a revitalização da orla, a tempo de credenciar o Guarujá como subsede da Copa do Mundo de 2014.

"Várias melhorias já serão notadas nesta temporada. Os cardápios estão sendo traduzidos para outros idiomas e também para o braile, os funcionários passarão a usar camisetas brancas com o nome do quiosque e muitos estão estudando outras línguas", diz o presidente da Associação dos Quiosqueiros do Guarujá, Marcelo Nicolau.

A entidade defende o modelo "dois em um", considerado positivo porque assegura o direito de oferecer frituras na praia - as porções de peixes e de camarão, principalmente, são as mais vendidas. Entre os comerciantes, havia o temor de que o município seguisse o exemplo de Santos, onde os quiosques do calçadão, além de pequenos, só têm permissão para usar chapa. /A.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.