Prefeitura estuda criar ciclofaixa de lazer na Paulista

Via funcionaria apenas aos domingos e feriados, nos mesmos moldes das três que já existem em outras regiões da capital

CAIO DO VALLE, O Estado de S.Paulo

06 Abril 2012 | 03h02

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), afirmou ontem que avalia a possibilidade de criar uma ciclofaixa de lazer na Avenida Paulista. Ela funcionaria aos domingos e feriados, a exemplo das que já existem no Itaim-Bibi, na zona sul, em Santana, na zona norte, e na Penha, zona leste. Mas uma ciclovia - faixa exclusiva que vale para todos os dias - também está sendo estudada pela Prefeitura.

Se a ciclovia for construída, atenderá a uma antiga reivindicação dos cicloativistas da cidade, já que a Paulista é usada diariamente por muitos ciclistas. Nos horários de pico, essas pessoas precisam conviver com os riscos de um trânsito intenso. Em média, 6.939 veículos passam pela via nos dois sentidos na hora mais carregada do dia, de acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Kassab frisou, porém, que a medida não pode interferir na fluidez do trânsito. "De nada adianta implantar uma ciclovia sem segurança, que cause transtorno muito grande a milhões de pessoas, beneficiando às vezes centenas ou milhares (de ciclistas)."

O prefeito destacou que a maior possibilidade, "porque (o projeto) está um pouco mais avançado", é a implantação da ciclofaixa. O estudo da Secretaria Municipal de Transportes deve ficar pronto em breve.

Hoje a capital tem 65 km de ciclofaixas. O primeiro trecho, entre os Parques Ibirapuera e das Bicicletas, ambos na zona sul, foi aberto em agosto de 2009. O último, do mês passado, fica na Avenida Governador Carvalho Pinto, zona leste.

O secretário municipal do Verde e do Meio Ambiente, Eduardo Jorge, disse que um estudo feito há cerca de cinco anos já identificava a Paulista como via que deve adaptar-se às bicicletas. "Analisamos mais de 600 km, dos quais selecionamos cerca de 250 km como prioritários e mais viáveis. A Paulista está no meio."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.