Prefeitura encontrou '30 a 40' áreas para creches

A Prefeitura de São Paulo já localizou entre 30 e 40 terrenos que serão destinados à construção de novas creches na cidade. Quem diz isso é o prefeito, Fernando Haddad (PT), que também afirmou contar com recursos federais para a construção de novas unidades na cidade.

O Estado de S.Paulo

15 Janeiro 2013 | 02h08

No entanto, Haddad não deu prazo para que as creches estejam prontas. "A prioridade zero é terreno para as creches, porque aí eu tenho verba federal e eu não posso perder. Teremos aí os primeiros 30, 40 terrenos nas próximas semanas", explicou ontem o prefeito.

Depois de mapeados, os terrenos ainda passarão pelo processo de desapropriação. As obras depois precisam ser projetadas e licitadas.

Durante a campanha eleitoral, no ano passado, Haddad prometeu criar 172 creches e 150 mil vagas com verba do Pró-Infância, programa de investimentos do Ministério da Educação (MEC) - pasta que Haddad comandou entre 2005 e 2011.

Então candidato, Haddad acusou o ex-secretário de Educação da Alexandre Schneider (PSD) - titular na gestão Gilberto Kassab (PSD) - de não ter procurado verba do MEC para construir creches. Schneider, que havia participado de audiência com Haddad, rebateu a crítica e afirmou que havia burocracia no processo.

A demanda atual por vagas é de 93.814, de acordo com dados de dezembro da Secretaria Municipal de Educação (SME). O número é menor que os 97.751, registrados em dezembro de 2011.

Segundo a SME, a diferença do déficit atual em relação à setembro de 2012, quando atingiu 170.858 vagas, é porque as crianças se formaram no fim do ano e passaram às Escolas Municipais de Ensino Infantil (EMEIs) - que não têm falta de vagas.

A localização dos terrenos encontrados pela Prefeitura não foi informada. A região mais carente de vagas é a zona sul, segundo a SME: os distritos com maior demanda são Capão Redondo (6.650), Jardim Ângela (6.364), Grajaú (5.838), Cidade Ademar (5.173) e Campo Limpo (4.647).

O secretário da Educação, Antonio Cesar Callegari (PSB), afirmou que também estuda a construção em terrenos municipais e que buscará parcerias com empresas. Ele disse que a inauguração será "a mais rápida possível". / F.F. E A.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.