JF DIORIO/ ESTADãO
JF DIORIO/ ESTADãO

Prefeitura e Pirelli firmam acordo para colaboração na venda do Autódromo de Interlagos

Acordo surge após empresa italiana negar interesse direto na aquisição da estrutura na zona sul de São Paulo; Doria chegou a dizer que a Pirelli participaria do leilão

O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2017 | 23h07

SÃO PAULO - Após desmentir o prefeito João Doria (PSDB) sobre seu interesse direto na aquisição do Autódromo de Interlagos, na zona sul de São Paulo, a empresa Pirelli emitiu nota conjunta com a administração municipal para esclarecer que atuará em parceria para encontrar investidores interessados no negócio.

A relação da empresa italiana com a privatização do autódromo começou quando, em Milão, Doria anunciou que ela participaria do leilão para aquisição da estrutura. "A Pirelli é uma das interessadas na privatização do Autódromo de Interlagos. Vamos ter muito em breve o leilão, que será feito na Bolsa de Valores", disse Doria na cidade italiana.

No dia seguinte, a Pirelli confirmou ter tido uma reunião “produtiva” com Doria, mas negou o interesse. A empresa disse que apoia a administração municipal na busca de investidores "ainda que a empresa não contemple em sua estratégia um envolvimento direto nessa questão, no momento".

Neste domingo, a empresa fez esclarecimentos sobre o contato com a administração municipal. Foi informado a abertura de uma “mesa técnica de trabalho” entre as direções da Pirelli em Milão e no Brasil com o gabinete da Prefeitura. “A colaboração também prevê a verificação em conjunto de interesse por parte de investidores, inclusive de perfil internacional, para a privatização do circuito”, declarou em nota a Pirelli. 

A Mesa Técnica de Trabalho se iniciará na próxima segunda-feira, 16, às 15h30, no gabinete da Prefeitura. “Como parte de suas iniciativas de negócios e no espírito de um vínculo profundo com a Comunidade de São Paulo, a Pirelli confirma o seu pleno apoio às atividades da Prefeitura.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.