Prefeitura é contrária ao uso de mototáxi em São Paulo

Em nota, administração municipal diz que desaconselha uso do transporte por 'segurança dos cidadãos'

03 de agosto de 2009 | 17h54

A Prefeitura de São Paulo informou em nota nesta segunda-feira, 3, que é contrária ao uso do serviço de mototáxi na cidade. A lei que regulamenta esse tipo de transporte foi sancionada na última semana pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com a prefeitura, esse tipo de transporte coloca a vida dos cidadãos em risco e por isso, desaconselha "seu uso em uma cidade com as características das de São Paulo".

 

Veja também:

link'Não há lugar para mototáxis em SP', diz Andrea Matarazzo

link'As pessoas precisam trabalhar', diz Carlos Lupi sobre mototáxi

linkMunicípios terão autonomia para regulamentar mototáxi

Na época em que o projeto de lei ainda aguardava aprovação no Congresso, o prefeito Gilberto Kassab e o secretário de Transportes Alexandre Moraes foram a Brasília propor limites a serem estabelecidos para que esse tipo de transporte. Logo após a aprovação, a Prefeitura também contactou o governo federal para que fossem adotadas medidas como autorizar o serviço apenas em municípios de até 200 mil habitantes.

 

Segundo a Prefeitura, uma lei de 1998 já proíbe esse tipo de atividade na capital paulista. A Câmara de Vereadores, no entanto, fará discussões sobre o assunto em relação a segurança, saúde e organização do trânsito em São Paulo. Essas medidas, segundo o comunicado, são para colocar em "primeiro lugar a segurança de seus cidadãos".

Tudo o que sabemos sobre:
mototáxiSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.