Prefeitura diz que número de carros ainda pode aumentar

Com término do processo de aumento da frota, cidade passará a ter um veículo para cada 333 habitantes

O Estado de S.Paulo

01 Abril 2012 | 03h07

A Prefeitura afirma que poderá aumentar ainda mais a quantidade de táxis em operação na cidade caso a entrada em operação dos 1.200 novos veículos não traga melhoria ao serviço.

"O DTP (Departamento de Transportes Públicos) vai avaliar o reflexo e o impacto desses veículos no sistema viário. Se não atender à demanda, deverá ocorrer a liberação de mais alvarás", diz a Prefeitura, em nota.

A Secretaria Municipal dos Transportes diz que cidade tem um táxi para cada 340 habitantes e que, com o término do processo de inclusão de mais carros, terá um para cada 333.

"O DTP faz estudos de forma permanente para avaliar a necessidade ou não da inclusão de novos veículos no serviço e se baseia no crescimento populacional e na demanda gerada pelos constantes eventos de turismo e de negócios, que vêm aumentando ano a ano", diz o texto.

Em ocasiões especiais, como shows, eventos ou, por exemplo, corridas de Fórmula 1, a Prefeitura faz esquemas especiais para oferecer mais táxis nos locais com maior demanda. O total de táxis na cidade é 33.712 carros.

Nos próximos dias, mais 57 veículos devem entrar na frota. Mas a Prefeitura não respondeu por que, na avaliação dela, a inclusão dos novos veículos ainda não resultou na sensação de melhora do serviço.

Menos táxis. O Sindicato dos Taxistas Autônomos de São Paulo (SinditaxiSP) se diz contrário a um novo aumento de carros na frota de São Paulo. O presidente da entidade, Natalício Bezerra, afirma que o número de veículos em operação atende à demanda da cidade. "Aquele número de táxis a mais supriu a demanda. Os pontos estão cheios de carros", afirma Bezerra.

Para o sindicalista, será preciso aguardar até o fim do ano para fazer uma avaliação adequada da melhora no serviço. "Não adianta ficar colocando táxi na rua. Aí, se colocarem mais do que precisa, a cidade vai ficar com um abacaxi: o que fazer com eles", diz Bezerra. /B.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.