Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Prefeitura deve entregar 441 apartamentos para moradores de rua em 2019

Maior parte do recurso é do Ministério das Cidades para a reforma de 9 prédios antigos e a construção de um imóvel em áreas municipais

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2017 | 06h00

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo prepara um projeto para destinar nove imóveis e um terreno de locação social para pessoas em situação de rua na Mooca, na zona leste, e majoritariamente na região central da cidade. De acordo com o secretário municipal de Habitação, Fernando Chucre, o projeto tem uma verba de R$ 48 milhões garantida pelo Ministério das Cidades, além de investimento municipal de R$ 5,9 milhões.

+++ Novo abrigo para moradores de rua de SP tem canil e funciona 24 horas

Dos endereços, oito ficam no centro. Segundo Chucre, os apartamentos serão destinados a ex-moradores de rua atendidos em aparelhos da Prefeitura, direcionando a quem vive em Centros Temporários de Acolhida (CTAs) e participa do programa do Trabalho Novo. A previsão é que após a conclusão do projeto, realização da licitação e encerramento das obras, as chaves devem começar a serem entregues em 2019. 

+++ Doria promete entregar 44 centros de acolhimento para moradores de rua até 2020

"Une emprego, renda  e trabalho habitacional, que é uma forma de ele não reincidir, não voltar para a rua", disse ao Estado após o 1º Fórum da Moradia para a Longevidade, no qual apresentou parte do projeto.

+++ 'Ajuda da comunidade é importante em dias de frio', diz morador de rua

Criados a partir de 2002, os projetos de locação social de São Paulo são todos públicos, no qual os moradores pagam uma pequena taxa ao município, mas não têm a propriedade do imóvel. Para os imóveis, está em estudo a implantação de modelos de gestão privada ou de autogestão por uma entidade.

 

Outros projetos

A Prefeitura também pretende lançar um pacote de "locação social em parque privado", em que um chamamento convocará propostas de proprietários de imóveis prontos e recém-lançados para uma parceria de período determinado, que deve ser em torno de cinco e 20 anos.

Segundo Chucre, a ideia pode ser uma alternativa para os imóveis ocupados na capital, que tem um déficit habitacional de 474 mil unidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.