Reprodução/Estadão
Reprodução/Estadão

Prefeitura de SP vai pintar faixa verde para pedestres na Liberdade

Equipamento terá 750 m e será instalado entre as estações São Joaquim e Liberdade; será proibido estacionar no trecho

Juliana Diógenes e Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

04 de setembro de 2015 | 08h49

Atualizada às 19h41

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta sexta-feira, 4, uma faixa verde exclusiva para pedestres na Avenida Liberdade, centro de São Paulo, como uma extensão da calçada. Paralela à ciclovia, a faixa terá 750 metros e será instalada entre Estações São Joaquim e Liberdade, sentido centro. 

Será proibido estacionar em período integral no trecho. O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), afirmou ontem que se trata de "uma reivindicação de estudantes das faculdades no entorno". Segundo a Companhia de Engenharia do Tráfego (CET), as obras começam na semana que vem e devem ser concluídas este ano. 

A proposta faz parte de um projeto piloto. No trecho entre as ruas São Joaquim e dos Estudantes, a faixa terá largura de 1,5 metro. A largura média da calçada já existente varia entre 2 e 4 metros. A CET vai alterar os limites das faixas de tráfego, usando a técnica de Máxima Utilização do Leito Viário - medida que pode, por exemplo, estreitar a largura das faixas para veículos e alargar para ônibus. 

Questionado se previa reclamação dos motoristas, que vão perder espaço, Haddad ironizou. "Ah é? Não vejo, não. Estão reclamando pouco hoje."

A faixa verde será antiderrapante e terá "tartarugas" amarelas a cada metro, além de uma linha branca pintada no chão. No início e no fim das guias, serão instalados balizadores cilíndricos, uma estrutura refletiva para delimitar a separação física entre carros e pedestres.

Repercussão. "A calçada sempre fica lotada e os alunos seguem pelo asfalto", comentou a estudante de Direito da FMU Viviane Soares Mendes, de 20 anos. Já o estudante de Direito Bruno Gomes, de 18 anos, acredita que a medida pode colocar os pedestres em risco. "Já existe calçada, não faz sentido." 

Para Maria Rodrigues, de 30 anos, que tem uma banca de revistas na avenida, deveria ser removida a ciclovia. "Quase não tem ciclistas." Já a analista de sistemas Rita Avancini, de 52 anos, acredita que a medida vai piorar a situação. "Como vou passar com o meu carro aqui?" 

Os especialistas, por sua vez, defendem que a Prefeitura deveria ampliar a calçada, em vez de pintar uma faixa verde. Para João Virgílio Merighi, professor de Engenharia Civil na pós-graduação do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), tem de haver uma barreira física. "(O pedestre) precisa de proteção." Sergio Ejzenberg, mestre em transportes pela Escola Politécnica da USP, considera a ação "perigosa". "A guia não tem função só decorativa."


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.