Prefeitura de SP retoma instalação de faixas exclusivas

São mais dois quilômetros de vias segregadas na Avenida Doutor Assis Ribeiro, na zona leste da cidade

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo,

12 Abril 2014 | 02h03

Em uma tarde que registrou o maior trânsito do ano - 247 quilômetros de congestionamento - e terminou com um protesto de pessoas contra a faixa exclusiva de ônibus na Avenida Lins de Vasconcelos, na Vila Mariana, zona sul de São Paulo, a Prefeitura retomou, ontem, a instalação das faixas só para coletivos, com mais dois quilômetros de vias segregadas na Avenida Doutor Assis Ribeiro, na zona leste.

A faixa entra em operação na segunda-feira, apenas no horário de pico da tarde (das 17h às 20h), entre as Ruas Reverendo José de Azevedo Guerra e Serra do Itaqueri. Com ela, a cidade terá 324,4 quilômetros de faixas exclusivas.

Pela faixa devem passar 17 mil pessoas por hora, em três linhas de ônibus que ligam os bairros de São Miguel Paulista e de Ermelino Matarazzo ao centro da cidade.

Protesto. Cerca de 200 pessoas fecharam ontem o tráfego na Avenida Lins de Vasconcelos, no Cambuci, na região central. Era mais um protesto contra as faixas de ônibus instaladas nessa avenida e na Avenida Doutor Lacerda Franco. Há duas semanas as faixas são motivo de protestos dos moradores. Elas foram instaladas em março. Ontem, eles usaram um carro de som e bloquearam o tráfego. A Polícia Militar foi chamada, mas não houve confronto.

Em outro protesto ocorrido ontem, funcionários em greve da Fundação Casa (ex-Febem) fecharam pontos da Rodovia Raposo Tavares, na zona oeste, e da Marginal do Tietê, na zona leste. Como consequência de tudo isso, às 18h50, a cidade registrou o pior trânsito do ano. O recorde anterior, de 21 de março, havia sido de 239 quilômetros, também à tarde. / B.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.