Prefeitura de SP quer que lojas da Galeria Pagé funcionem legalmente

Após fiscalização que apreendeu 1 milhão de itens, estabelecimentos voltaram a funcionar nesta 3ª

Marcela Gonsalves, Central de Notícias

19 de abril de 2011 | 15h26

SÃO PAULO - Terminou na noite desta segunda-feira, 18, a fiscalização na Galeria Pagé. Na ocasião, foi realizada uma reunião. Ficou decidido a assinatura de um termo de compromisso entre a Prefeitura e o condomínio de lojistas, que busca evitar que a Galeria Pagé volte a ter lojas com venda de produtos falsificados, contrabandeados ou com sonegação fiscal.

 

As lojas voltaram a funcionar nesta terça-feira. No total, 221 lojas e seus responsáveis foram qualificados. Outras 148 lojas tiveram produtos apreendidos e encaminhados a depósitos.

 

A estimativa é de que um milhão de itens tenham sido apreendidos, com predominância em relógios, óculos, vestuários, tênis, brinquedos e eletrônicos. A Vigilância Sanitária emitiu dois autos de infração e uma interdição por falta de higiene e outras irregularidades.

 

Ainda há 59 lojas cuja documentação está sendo analisada pela Fazenda Estadual, Receita Federal e com regularidade a confirmar. Mais de 50 pessoas foram detidas e encaminhadas para a Polícia Civil e Federal. Destes, 16 eram estrangeiros irregulares e poderão ser deportados do país.

Tudo o que sabemos sobre:
Galeria Pajé

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.