Prefeitura de SP multa empresas por 'sumiço' de Zona Azul

Terceirizadas seguraram talões para vender após reajuste; pasta aponta irregularidade também na fiscalização

30 de setembro de 2009 | 19h28

Três empresas de distribuição de folhas de Zona Azul em São Paulo serão multadas pela Prefeitura por descumprimento de contrato. Após reclamações de motoristas sobre o "sumiço" de folhas e talões, mesmo com o abastecimento extra feito Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a Secretaria Municipal de Transportes (SMT) encontrou irregularidades no repasse dos talões aos pontos de venda. Além disso, as empresas também não estariam fiscalizando os locais de comercialização, que vendiam as folhas acima do valor estipulado.

 

As denúncias surgiram logo depois de a SMT anunciar o reajuste no valor da folha de Zona Azul para o início de agosto passado. A previsão era que houvesse uma busca maior pelos talões, assim a Prefeitura disponibilizou mais talões do que o normal. Mesmo assim, as folhas acabaram rapidamente e, com a reclamação, a secretaria começou a investigar para descobrir o motivo do desaparecimento. Por causa disso, o reajuste previsto para começar a vigorar em 1º de agosto foi suspenso. O novo valor, de R$ 1,80 para R$ 3, começa nesta quarta-feira, 1º.

 

Com a sindicância, a SMT descobriu que as empresas Good Mix Serviço de Distribuição Ltda. e Chinaglia Comercial e Distribuidora Ltda. pediram quantidade elevada de talões de Zona Azul, mas não repassaram aos pontos de venda. Com a apuração, foi descoberto também que essas empresas terceirizadas, além da Servlot Distribuidora e Serviços Lotéricos Ltda., não estavam fiscalizando os locais de venda, pois 40% dos pontos oficiais vinculados estavam repassando as folhas com valor além do estipulado.

 

Por isso, a Prefeitura estipulou multa de 10% em cima do valor dos talões repassados à Good Mix e à Chinaglia (R$ 37.982,25 e R$ 24.556,50, respectivamente), e de 5% para a Servolot (R$ 5.737,50). O valor da multa da última empresa é menor pois, segundo a SMT, ela descumpriu apenas cláusula sobre fiscalização de pontos de venda.

 

Os responsáveis pelas três empresas citadas não foram encontrados para comentar a decisão da Prefeitura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.