Reprodução/Google Street View
Reprodução/Google Street View

Prefeitura de SP homologa tombamento de edifícios art déco em Santa Cecília

Quatro prédios foram erguidos entre 1920 e 1940; imóveis ficam localizados no entorno da Praça Marechal Deodoro, no centro expandido da cidade de São Paulo

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

27 Julho 2018 | 15h50

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo homologou nesta sexta-feira, 27, o tombamento de quatro edifícios do bairro Santa Cecília, no centro expandido da cidade. Os prédios são considerados pioneiros no estilo art déco, que marca a passagem da arquitetura eclética para moderna. Eles são datados do período entre 1920 e 1940. A decisão considerou o "valor arquitetônico, urbanístico, paisagístico e ambiental".

Os imóveis estão localizados nas imediações da Praça Marechal Deodoro, datada do mesmo período, próximo à estação de Metrô de mesmo nome. O tombamento foi decidido pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental (Conpresp) em reunião realizada em 19 de fevereiro.

Como a resolução de tombamento ressalta, os prédios pontuam o início do processo de verticalização da região. "Esta produção arquitetônica de importante valor paisagístico e ambiental resultante da implantação destes exemplares vem desaparecendo da cidade de São Paulo", diz o texto.

O processo de tombamento foi aberto em 2011 e contemplava inicialmente 18 imóveis. Dos quatro que deverão ser preservados, o único que deverá manter também elementos internos é o Edifício Tupã, que teve também tombados o saguão, as escadas e os ornamentos e revestimento internos. O imóvel tem projeto do arquiteto russo Samuel Roder e chegou a ter a demolição requerida ao Conpresp. 

Além do Tupã, o Conpresp determinou a preservação dos elementos da arquitetura externa, como fachada, ornamentos e materiais de revestimento, dos edifícios Lunice e Maria Teresa - respectivamente, com projetos do arquiteto Alfredo Giglio e do escritório S Vitali -, e de um pequeno prédio na Rua Rosa e Silva. Os imóveis têm de três a sete pavimentos.

Segundo o estudo de tombamento, durante a década de 30, o Art Déco tornou-se um modismo arquitetônico na capital paulista em imóveis diversos, como escolas, teatros, residências, edifícios comerciais e de apartamentos, dentre outros.

Com a homologação, qualquer projeto de intervenção nos elementos protegidos deverá ser previamente analisado e aprovado pelo Departamento de Patrimônio Histórico (DPH). Com a decisão, não foi delimitada área envoltória. 

Os quatro imóveis tombados são:

- Edifício Lunice: Rua das Palmeiras, 336 a 350;

- Prédio da Rua Rosa e Silva, 121;

- Edifício Maria Teresa: Alameda Barros, 650;

- Edifício Tupã: Praça Marechal Deodoro, 171 a 191, esquina com a Rua São Vicente de Paulo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.