Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Prefeitura de SP fecha novo acordo para construção do Parque Augusta

Atuais proprietárias do terreno serão responsáveis pela implantação do parque e de um boulevard; obra deve começar em janeiro de 2019

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

10 de agosto de 2018 | 11h46
Atualizado 10 de agosto de 2018 | 16h21

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo assinou nesta sexta-feira, 10, o novo acordo para a construção do Parque Augusta, no centro expandido da capital paulista. O Parque Augusta está localizado em um terreno de 24 mil metros quadrados no centro de São Paulo, entre as ruas Caio Prado e Marquês de Paranaguá. O acordo promete por fim a um imbróglio judicial que se estende desde a década de 1970 para a criação de um parque neste lote. 

Como antecipou o Estado, a gestão Bruno Covas (PSDB) mudou de estratégia no início deste ano e, em vez de fazer a permuta de um terreno público, irá repassar títulos de potencial construtivo às construtoras proprietárias do espaço do parque. Os títulos permitem que as empresas Cyrela e Setin apliquem em outros imóveis a área que poderiam construir no lote do parque.  O acordo ainda precisa ser homologado pela Justiça.

"O que temos hoje aqui é fruto da participação do movimento da sociedade civil, do Ministério Público, do Poder Legislativo, da Prefeitura, dos empresários, uma série de pessoas que participaram e se dedicaram para que a gente pudesse assinar este acordo", disse Covas, em cerimônia de assinatura do acordo, realizada nesta sexta-feira.

As construtoras precisarão pagar uma indenização de R$ 9,8 milhões, dos quais R$ 6,2 milhões serão quitados por meio dos serviços de construção do parque e de um boulevard que ligará a área (pela Rua Gravataí) até a Praça Roosevelt. Em matéria de julho, o Estado mostrou que o primeiro desenho oficial do parque prevê a construção de arquibancada, deque e até cachorródromo.

O projeto desenhado pela Prefeitura em parceria com os movimentos do parque prevê um espaço para educação ambiental e atividades culturais em um imóvel tombado e restaurado no terreno (próximo à esquina das ruas da Consolação e Caio Prado), uma guarita e uma sala de informações turísticas em outro local tombado e restaurado (na Rua Caio Prado) e área administrativa com banheiros (na esquina das Ruas Augusta e Marquês de Paranaguá).

Do valor pago pelas empresas, R$ 2 milhões serão empregados na manutenção do parque por dois anos, enquanto o restante será repassado para a construção de um Centro de Convivência Intergeracional e na reforma de uma Instituição de Longa Permanência para Idosos.

O acordo extingue todas as ações populares e os inquéritos instaurados pelo MP envolvendo os imóveis. Segundo o promotor de justiça Silvio Marques, após questões judiciais que envolvem homologação judicial e prazo de trânsito em julgado, podendo durar até o fim deste ano, as obras do parque têm previsão de início em janeiro de 2019. O prazo máximo de conclusão da totalidade da obra é de 18 meses, mas, de acordo com o Covas, trechos do parque podem ser entregues parcialmente antes.

O acordo prevê, ainda, a liberação de R$ 90 milhões ao Município por meio de acordo firmado com o MP em 2015 e os bancos UBS, da Suíça, e Citibank, dos Estados Unidos.

Originalmente destinado à compra do terreno do parque, o dinheiro será utilizado na desapropriação de 22 terrenos para creches municipais, na construção parcial de 12 Centros de Educação Unificada (CEUs) e na implantação de Escolas Municipais de Educação Infantil (EMEIs).

Acordo de Doria

Em agosto de 2017, com aval pendente da Justiça e da Câmara de São Paulo, o ex-prefeito João Doria (PSDB) acordou com as duas construtoras que, se elas abrissem mão do terreno na Rua Augusta, entre as Ruas Caio Prado e Marques de Paranaguá, que mantém área verde intacta, e criassem ali um parque, teriam direito a 18 mil metros quadrados de um terreno da Prefeitura na Rua do Sumidouro, em Pinheiros, zona oeste. No local, funciona a Prefeitura Regional do bairro e uma base da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). 

Em contrapartida, as empresas teriam de assumir a manutenção da Praça Roosevelt, vizinha ao parque, e do Parque Victor Civita, em Pinheiros, além do próprio Parque Augusta, por um período de dois anos.

Também teriam de construir uma creche para 200 crianças, em um terreno a ser indicado pela Prefeitura, e um Centro Temporário para Atendimento (CTA), voltado para a população de rua, com 260 vagas.

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) encomendou uma perícia para avaliar os valores envolvidos na negociação entre Doria e as construtoras. A avaliação do perito judicial, porém, não valerá mais no novo acordo assinado nesta sexta. De acordo com a secretária de Urbanismo e Licenciamento, Heloísa Proença, as regras para o cálculo seguirão parâmetros previstos no Plano Diretor. 

Terreno

Em fevereiro, uma liminar concedida pela Justiça suspendeu o chamado direito de protocolo, que estava previsto na Lei de Zoneamento de 2016. A medida foi pedida pelo Ministério Público Estadual com o intuito de preservar as Zonas Especiais de Proteção Ambiental (Zepam), como é o caso do terreno do Parque Augusta.

Na prática, a decisão impede que as construtoras utilizem o projeto de cinco prédios protocolado para o terreno da Rua Augusta há anos e limita novas construções no local a 10% da área total do terreno. Embora esse projeto fosse alterado em uma possível permuta com o terreno de Pinheiros, ele ampliava o valor de mercado do terreno do Parque Augusta, avaliado em R$ 138 milhões pela Justiça. Com a liminar, esse valor cairia drasticamente, inviabilizando a permuta.

O instrumento da transferência de potencial construtivo está regrado pelo Plano Diretor, como o cálculo e o local para onde será  transferido. Esse título não pode ser aplicado em operações urbanas, conforme a secretária municipal da Urbanismo e Licenciamento.

"Na fórmula (do valor da área do Parque Augusta) entra o valor do terreno, que é R$7,5 mil (o metro quadrado), a própria metragem do terreno, de 24 mil metros quadrados, mais fatores de planejamento e sociais que o plano atribuiu, além da localização pelo zoneamento. É por isso que o potencial construtivo fica sendo tão reduzido no final. Os 24 mil metros de terreno acabam gerando 3 mil e poucos metros de área construível, passível de transferência", explica Heloísa.

Movimento quer abertura imediata dos portões do Parque Augusta

O Movimento Parque Augusta, participante da construção do acordo, comemora e diz que a solução, através da transferência de potencial construtivo, começou a aer discutido em 2014. "A transferência do potencial construtivo é uma solução que não onera os cofres públicos e, ao mesmo tempo, compensa o proprietário, abrindo uma nova frente a ser aplicada para a implantação de outras áreas verdes hoje desejadas na cidade", justifica em documento entregue à imprensa. 

No texto, o grupo elenca três pontos que são essenciais, porém não foram detalhados no plano: a participação continuada e garantida no desenvolvimento do estudo preliminar do Parque apresentado pela Secretaria do Verde e do Meio Ambiente; a discussão mais atualizada nos modos de gestão compartilhada, buscando criar novas políticas públicas; e a abertura imediata dos portões. Agora, os integrantes dizem que querem continuar participando dos processos decisórios que vão definir a forma e o modo de  do acordo. 

Advogado da Associação de Moradores e Amigos do Bairro da Consolação (AMACON), Helder Moroni Câmara diz que o novo acordo tem força de contrato. "Agora todas as pontas possíveis e imagináveis do conflito estão concordes e assinaram o acordo. Isto não é um acordo privado. É um acordo público judicial que tem força de contrato. Todas as partes estão contratadas."  

Moradora da região e diretora da AMACON, Ignez Capozzi, de 70 anos, comemora o acordo. "Agora está perfeito. Temos o parque. Para nós, era um problema não ter esse parque. Eu moro em frente e é uma judiação que aquilo ficasse parado. Ter o parque era fundamental. E ter o parque sem esse ônus de dinheiro público era a nossa grande briga", afirma. 

Segundo Ignez, os moradores da região não queriam que houvesse gasto de dinheiro público para a construção do Parque. "O dinheiro do Maluf a gente entende que é da municipalidade, e não de um projeto. Então, agora estamos felizes para sempre. Houve um acordo entre todos os envolvidos. Foi um ganho."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.