TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Prefeitura de São Paulo estuda fechar Avenida Paulista aos domingos

Bloqueio será testado no dia 28, data da inauguração da ciclovia; Haddad diz que é uma 'tendência internacional' e cita Times Square 

Juliana Diógenes e Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

16 Junho 2015 | 15h09

Atualizada às 20h50

O fechamento da Avenida Paulista, rotineiro nas sextas-feiras de protesto em São Paulo, pode virar realidade institucionalizada pela Prefeitura nos domingos. O Município estuda a possibilidade de fechar um dos endereços mais importantes da capital para pedestres, ciclistas e skatistas. 

O prefeito Fernando Haddad (PT) e o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, disseram nesta terça-feira, 16, que o bloqueio será testado na inauguração da ciclovia na avenida, no próximo dia 28. Os estudos são da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

“É uma tendência internacional de grandes cidades reservarem espaços públicos para que pedestres e ciclistas se encontrem, para que haja uma maior aproximação entre as pessoas. Não só em parques, mas também em vias”, afirmou Haddad, citando como exemplo a Times Square, em Nova York, com trechos fechados desde 2009.

“Há estudos sendo feitos nessa direção (de fechar em definitivo). Mas não temos ainda uma decisão tomada”, disse o prefeito. Já Tatto explicou que, caso a Prefeitura decida pelo fechamento definitivo da Paulista aos domingos, o cruzamento com a Brigadeiro Luís Antônio não será bloqueado. “Uma recomendação que fizemos é que não feche o cruzamento por causa dos ônibus. O motorista do carro desvia, pega as Avenidas 23 de Maio e Brasil”, afirmou o secretário. 

Manifestações. Tatto disse ainda que a Prefeitura já está acostumada com os frequentes fechamentos da Paulista, fazendo referência aos protestos que interrompem a circulação de veículos e ônibus na via. “Se tem um lugar que todo mundo tem experiência de fechamento na cidade é a Avenida Paulista”, afirmou. Para fechar a via definitivamente, a CET estudará o impacto no viário do entorno como as Ruas Cincinato Braga e São Carlos do Pinhal e a Alameda Santos. 

A expectativa de Haddad é que, no dia da inauguração da nova ciclovia na Paulista, o público ultrapasse os limites da faixa para ciclistas. Por isso, a avenida deve ficar fechada. De acordo com o prefeito, “talvez a ciclofaixa seja insuficiente” para receber tantos ciclistas.

“Estamos vendo como vamos recepcionar a quantidade de ciclistas que estão mobilizados para isso. Tem muita gente que vai chegar na Paulista de bicicleta e a ciclofaixa não vai dar conta do público previsto. Estamos estudando como recebê-los, porque a segurança é importante”, afirmou Haddad.

Minhocão. No próximo fim de semana, durante a Virada Cultural, a CET testará o comportamento do trânsito no entorno do Minhocão com o fechamento da via elevada, previsto para ocorrer a partir das 15 horas - horário que o elevado poderá fechar caso a medida seja implementada definitivamente.

Mais conteúdo sobre:
Avenida Paulista São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.