Prefeitura de SP embarga ampliação do Iguatemi

Projeto previa a construção de um prédio anexo com três subsolos, sete andares de garagens e mais quatro pavimentos de escritórios

Agencia Estado

28 de agosto de 2007 | 23h00

A Subprefeitura de Pinheiros embargou na sexta-feira as obras de expansão do Shopping Iguatemi, o mais luxuoso shopping da cidade de São Paulo, instalado no Jardim Paulistano. O embargo da obra e a notificação para paralisação da construção referem-se a um projeto do shopping para construir um prédio anexo com três subsolos e sete andares de garagens e mais quatro pavimentos de escritórios.O prédio com 51 metros de altura estava sendo construído em uma área de 25.000 metros quadrados em um antigo posto de gasolina na Rua Angelina Maffei Vita. A obra idealizada para aumentar o conforto dos freqüentadores do shopping acabou azedando o relacionamento com seus clientes mais do que especiais. O construtor Alfredo Mathias ergueu o Shopping Iguatemi em 1966. Na parte que sobrou do terreno também resolveu construir quatro edifícios residenciais com 120 apartamentos - condomínios Avignon, Chatel, Dijon e Monfort. Mathias costumava chamar os proprietários dos apartamentos como primeiros e mais especiais clientes do shopping. Os edifícios abrigaram paulistanos com sobrenomes ilustres, inclusive o atual prefeito Gilberto Kassab (DEM).Os síndicos dos quatro prédios tentaram, em vão, negociar uma saída com os administradores do shopping. "A escritura do shopping e do nosso condomínio diz que é proibido levantar novas edificações que prejudique a visibilidade entre os imóveis (shopping e prédios residenciais)", disse Jorge Rugitsky, um dos síndicos e administrador da área externa do condomínio. Os moradores também organizaram um abaixo-assinado com a adesão de 112 dos 120 proprietários em documento enviado à Prefeitura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.