Prefeitura de SP começa regularização da Feirinha da Madrugada

Fiscais da Operação Delegada intesificaram ações no local, que fica no Pari, região central

Marcela Gonsalves, Estadão.com.br

24 Maio 2011 | 16h30

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, anunciou na manhã desta terça-feira, 24, o início do processo de regularização dos comerciantes da Feirinha da Madrugada, localizada no bairro do Pari, região central da Capital. A fiscalização está sendo feita através da Operação Delegada que intensificou as ações no local.

 

Durante dez dias, 120 policiais militares atuarão 24 horas por dia na região da feira. Além de combater o comércio de produtos falsificados e irregulares, a Operação fiscalizará a presença de ambulantes ilegais no local.

 

De acordo com Kassab, a fiscalização busca proteger os comerciantes que estavam sendo explorados. Desde que a Prefeitura passou a administrar o local, em novembro de 2010, os comerciantes foram orientados a deixar de pagar qualquer taxa. Porém, segundo os próprios comerciantes, mensalmente, eles têm de acertar R$ 250 de condomínio. "Os comerciantes estavam sendo chantageados, pois eram obrigados a dar dinheiro", declarou o prefeito.

 

Segundo a prefeitura, 4.200 comerciantes foram cadastrados e eles receberão, até o final desta semana, um certificado que conta com um código de barras. Dessa forma, a administração municipal poderá identificar e coletar rapidamente informações sobre os lojistas da Feirinha, como nome do proprietário do estabelecimento, CPF, endereço residencial, razão social e nome fantasia da empresa e telefones.

 

Circuito de Compras. No início deste ano, a Prefeitura lançou o projeto Circuito das Compras, que inclui a área onde hoje está a Feirinha da Madrugada. O projeto de licitação já foi finalizado e, de acordo com a prefeitura, será lançado assim que a guarda definitiva do local for autorizada pelo governo federal. No ano passado, foi obtida apenas a guarda provisória. Antes, o Pátio do Pari estava sob controle do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

 

A iniciativa prevê a interligação dos quatro maiores centros comerciais da região central da Capital (Brás, Sé, Santa Ifigênia e Bom Retiro) e prevê a instalação de infra-estrutura, rede hoteleira e escritórios equipados para atender comerciantes e visitantes. O projeto também prevê a construção do Centro de Compras do Pari, além de um hotel de, duas torres comerciais para escritórios e sete torres residenciais. No local serão instalados serviços públicos como Poupatempo, Correios, bases da Polícia Militar e unidades do Sebrae.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.