FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

Prefeitura de SP quer guarda-civil com arma de policial militar

Mudança depende de autorização do Exército; equipamento é mais adequado para combate ao crime, diz secretário

Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2017 | 03h00
Atualizado 04 de julho de 2017 | 07h27

SÃO PAULO - A gestão João Doria (PSDB) quer armar a Guarda Civil Metropolitana (GCM) da cidade com munição .40, calibre usado pelas Polícias Militar e Civil de São Paulo. Para realizar a troca, a Prefeitura deve pedir autorização ao Exército na próxima semana, segundo afirmou nesta segunda-feira, 3, o secretário de Segurança Urbana, o coronel da PM José Roberto Rodrigues de Oliveira.

Hoje, os cerca de 6 mil membros da GCM usam revólveres de calibre 38 ou pistolas 380. Na visão de Oliveira, porém, além de esses calibres não serem os mais adequados, a troca permitirá à GCM receber doação de armas das polícias estaduais.

“Vou até o Ministério do Exército conversar e ver o que a gente precisa fazer para poder mudar,” afirmou nesta segunda-feira o secretário, durante a inauguração da reforma dos Arcos do Jânio, na região central. “A melhor arma para utilizar em multidão, na cidade, é a de munição .40”, disse. “Nossa ação tem de ser muito direta e contra o agressor.”

Um dos motivos para a mudança, segundo Oliveira, é que a .40 tem maior stopping power, ou seja, maior poder de deter um oponente com um único disparo. “Ele (o tiro) para o agressor e não transfixa (atravessa), então não pega em inocente.”

Historicamente, o uso de armamentos mais potentes e a ampliação de atividades dos GCMs dividem opiniões. Para críticos, há risco de guardas- civis realizarem funções da PM.

“Academicamente falando, existe uma preocupação com o policiamento municipal, no pequeno município. Um medo de que a guarda vire uma ‘guarda pretoriana’”, ponderou Oliveira. “Como a cidade é muito grande, você não tem essa relação aqui”, disse. “A gente tem de entender que, infelizmente, tem bandido de sobra ainda.”

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Minha missão é criar dificuldade para a prática do crime. (...) Se a .40 é a melhor munição para a cidade, vamos atrás dela.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
José Roberto Oliveira, secretário de Segurança Urbana

Preocupação

O coronel reformado da PM José Vicente Filho, ex-secretário nacional de Segurança Pública, defende a troca. “Se o guarda já está armado, é importante pensar na eficiência da arma”, disse. “Não quer dizer que o GCM vai ficar mais militarizado, mais guerreiro, por causa disso.” 

Para Filho, entretanto, é fundamental que a mudança seja acompanhada por treinamento. “Significa 200 tiros para adaptação à nova arma e mais 100 a cada ano.” 

Já para Guaracy Mingardi, sociólogo e ex-secretário de Segurança Pública de Guarulhos, a mudança sinaliza uma GCM mais “bélica” e voltada ao confronto. “A prioridade deveria ser de achar o nicho institucional da GCM e evitar que tenha finalidade igual à da PM.”

Na visão dele, a GCM deve atuar em policiamentos mais “leves”, de forma complementar. “Deve estar onde não precisa da PM: em locais com grande concentração de pedestres, como no Minhocão à noite, por exemplo.”

Cracolândia

A região da Cracolândia, no centro, foi palco de novo tumulto na manhã desta segunda-feira em ação dos GCMs no “fluxo” de usuários de drogas. “Quando você vai colaborar com a prefeitura regional para limpeza, causa um desconforto: isso que aconteceu”, disse Oliveira. 

Ele também defendeu um combate maior à entrada de “lixo” no fluxo.

“Não é possível admitir um sofá para ser utilizado ali, se já existe uma tenda para ficar sentado, assistir televisão.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.