Prefeitura de São Paulo anuncia reabertura de 80 telecentros

Unidades, que estavam fechadas desde abril, voltarão a funcionar progressivamente a partir do dia 21

Felipe Neves, ESPECIAL PARA O ESTADO

17 Julho 2014 | 12h56

Atualizado às 13h25

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta quinta-feira, 17, que irá reabrir 80 telecentros que estavam fechados desde abril. As unidades citadas ficam dentro de bibliotecas e centros educacionais unificados (CEUs) e terão o atendimento retomado paulatinamente a partir do dia 21. Além de  acesso a internet, os equipamentos oferecem oficinas e cursos de informática. Outros 53 locais que funcionam em prédios públicos ainda receberão edital para nova licitação. 

Dois funcionários serão contratados para cada unidade reaberta, segundo informou a Secretaria Municipal de Serviços. Os profissionais serão capacitados para fazer a monitoria dos usuários e trabalharão 6 horas diárias, por um salário mensal de R$ 760,20. A proposta da Prefeitura é utilizar os postos para realocar trabalhadores que estavam fora do mercado de trabalho. 

Outros 69 telecentros indiretos, que funcionam em parceria com entidades sociais, tiveram contrato renovado pela administração municipal em junho. Os convênios foram refeitos depois que o Tribunal de Contas do Município (TCM) suspendeu a licitação do serviço, em janeiro.

A Prefeitura ainda prorrogou o convênio por mais três meses, mas irregularidades com a documentação da Idort, principal entidade parceira na administração dos equipamentos, impediram que ele fosse levado adiante. A cidade contava, até abril, com 134 dessas centrais indiretas. Os profissionais desses locais começaram nesta quinta-feira a receber o  treinamento necessário para monitorar os usuários.

Melhorias. A Prefeitura ainda estuda uma maneira de ofertar cursos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) nos Telecentros e melhorar a velocidade do acesso nos locais reabertos.

Mais conteúdo sobre:
São PauloTelecentros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.