Prefeitura contrata vigias para 18 parques, mas sem data de início

Enquanto isso, segurança de algumas áreas verdes está sendo feita apenas por rondas de guardas civis metropolitanos

/ D.Z. e R.B. , O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2011 | 03h03

Duas empresas foram contratadas ontem para fazer a segurança particular de 18 parques das regiões administrativas norte e centro-oeste da capital. Desde sexta-feira, o serviço vem sendo feito de modo provisório pela Guarda Civil Metropolitana, pois o contrato com a empresa responsável pelo serviço foi rompido pela Prefeitura, como o Estado revelou há duas semanas.

Atualmente, alguns dos 36 parques que eram atendidos pela empresa estão sendo atendidos apenas por rondas em viaturas - ou seja, não há segurança fixa de prontidão caso aconteça algum problema. Outros têm efetivo fixo de guardas municipais ou seguem sendo vigiados por bases comunitárias móveis.

De acordo com a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, ainda não é possível determinar a data em que a segurança particular voltará às áreas verdes dos grupos norte e centro-oeste, que incluem parques como o Trianon e a Aclimação. Segundo a pasta, ainda há prazo para empresas contestarem a licitação, encerrada ontem. A Prefeitura não informou o nome das empresas vencedoras nem o valor cobrado para a prestação dos serviços, que deverão durar pelo menos um ano.

Já os parques das áreas sul, leste e o Ibirapuera ainda não tiveram nova empresa contratada e seguirão por tempo indeterminado sob vigilância da GCM. As concorrências continuam sob análise do Tribunal de Contas do Município (TCM) e não há previsão de quando serão realizadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.