Prefeitura conserta calçada de um lado só de rua no centro

Metade par da Brigadeiro Tobias continua com buracos; governo diz que só trecho reformado é contemplado em programa

Marici Capitelli, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2010 | 00h00

Moradores e trabalhadores da Rua Brigadeiro Tobias, na região central de São Paulo, reclamam do que consideram uma obra pela metade: a Prefeitura revitalizou 150 metros de calçada só do lado ímpar da via, embora a rua de cerca de 800 metros tenha grande parte do passeio público quebrado e esburacado.

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano justificou a obra, alegando que só esse trecho está contemplado no Programa de Reabilitação da Área Central da Cidade (Procentro), projeto de US$ 167,4 milhões, com US$ 100,4 do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

O trecho que a calçada passou por obras é entre os números 175 e 331. Duas transversais, as Ruas Beneficência Portuguesa e Coronel Batista da Luz, no mesmo quarteirão, também tiveram as calçadas reformadas.

"Considero esse tipo de obra pela metade uma piada, uma falta de bom senso", diz Regina Antonio, de 55 anos, moradora da rua há 30 anos. Quando ela sai do prédio, encontra calçadas em péssimas condições. Mas, ao olhar para o outro lado da rua, vê a obra acabada.

Zenilda Fausto dos Passos, de 52 anos, é síndica do prédio de Regina. Ela conta que, quando a revitalização começou, os moradores se animaram. "Só que para a nossa surpresa, os operários foram embora", conta.

Com seu carrinho de entrega de Yakult, a vendedora Maria da Gloria de Jesus, de 65 anos, sente a diferença. "Acabei de fazer uma entrega no prédio onde na frente a calçada está arrumadinha. Atravessei a rua e tive até dificuldade para subir na calçada."

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano informou, por meio de nota, que "a intervenção contempla, neste primeiro momento, o lado ímpar". Mas a pasta não informou para a reportagem se há previsão de que a revitalização seja estendida para o lado par da rua.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.