Marcelo Gonçalves / Sigmapress
Marcelo Gonçalves / Sigmapress

Prefeitura ergue um metro do viaduto que cedeu em SP

Trabalho é feito com seis macacos hidráulicos; linha da CPTM foi paralisada para o trabalho, que será retomado neste domingo

O Estado de S.Paulo

01 Dezembro 2018 | 09h26

Técnicos da Prefeitura de São Paulo iniciaram na manhã deste sábado, 1º, o trabalho para reerguer o viaduto da marginal do Pinheiros que cedeu no último dia 15 de novembro. No final da tarde, a Prefeitura informou que os testes foram tão bem-sucedidos e que a equipe já conseguiu erguer o viaduto um metro. O trabalho foi suspenso às 19 horas por questões de segurança, mas será retomado às 7 horas deste domingo, 2, quando as condições de luminosidade são melhores. A expectativa é erguer a estrutura mais um metro até o final do domingo, recolocando o viaduto em seu nível original, para avaliar quais reparos serão necessários para que veículos voltem a circular no local.

São utilizados no trabalho seis macacos hidráulicos, todos operando ao mesmo tempo, e cada um deles tem capacidade para erguer 300 toneladas. Os equipamentos estão apoiados em dez estacas que foram previamente instaladas. Noventa operários e 17 engenheiros trabalham no local.

Pela manhã, o secretário municipal de Infraestrutura e Obras, Vitor Aly, afirmou que testes seriam necessários para saber como a estrutura reagiria. "Vamos ver como a estrutura vai se comportar nessa operação de subida. Ao subir um centímetro onde estamos macaqueando, saberemos o que acontece ao longo das estruturas, como ela se movimenta, se vai subir reta, se vai torcer, qual o movimento que ela faz a medida que sobe", disse.

O secretário não deu prazo para o fim dos trabalhos. Ele também não deu prazo para reconstrução ou reabertura do viaduto. "Queremos liberar o mais rápido possível. Mas só na hora que colocarmos o viaduto no nível é que saberemos o tamanho do estrago, e aí poderemos ver quais as opções pra corrigir esse estrago na estrutura. Só aí conseguiremos fazer um projeto e dar um prazo", disse Aly. 

Por causa do trabalho, a CPTM interrompeu a circulação na linha 9 entre as estações Cidade Universitária e Villa-Lobos-Jaguaré. Vinte ônibus foram disponibilizados para fazer o trajeto dos passageiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.