Prefeitura começa a apagar grafites na Avenida 23 de Maio

Grafiteiros fizeram intervenção para deixar cidade mais colorida; secretaria afirma que desenhos são 'pichações'

Ítalo Reis, do estadao.com.br,

14 de setembro de 2009 | 16h27

 

SÃO PAULO - A Prefeitura começou a apagar ainda no domingo os desenhos feitos por mais de 100 grafiteiros durante uma manifestação cultural na Avenida 23 de Maio, que liga a região central de São Paulo à zona sul. A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras confirmou nesta segunda-feira, 14, que à noite os trabalhos deverão continuar.

 

Veja também:

linkPrefeitura apaga grafite em parede de imóvel particular

linkGrafite muda de nome e vira 'nova arte pública'

linkAs cores e as marcas da rua nas próprias casas

linkObras conquistam espaço em galerias de Londres e NY

especialEspecial: O melhor da pintura nos muros de São Paulo

 

Os manifestantes se reuniram às 10 horas e pintaram seus desenhos na beira da pista sentido bairro, para não chamar atenção da polícia. Depois de meia hora, a Polícia Militar chegou ao local e três grafiteiros foram detidos por "não pararem de grafitar mesmo após terem visto a presença da viatura policial". Logo após o registro do boletim de ocorrência na delegacia e os jovens foram liberados.

 

 

Segundo a secretaria, o trabalho de apagamento, sob responsabilidade da Subprefeitura da Sé, foi interrompido nesta manhã por causa da chuva. Entre os grafites feitos estão mensagens que criticam a falta de cor da cidade, como "Pare o cinza, Kassab" e "Viva as cores". A assessoria da secretaria informou que os desenhos estão sendo apagados pois são "pichação" e não "grafites" e também porque não houve uma parceria com a Prefeitura para que os muros fossem pintados.

 

 

(Com Susan Eiko Togashi, de O Estado de S.Paulo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.