ANDRÉ LESSA/ESTADÃO
ANDRÉ LESSA/ESTADÃO

Prefeitura chama empresas para Zona Azul virtual

Motoristas poderão reservar vagas por aplicativo de celular e fazer recargas com cartões bancários

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

04 Março 2016 | 15h27

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo vai dar o primeiro passo para cobrar o Zona Azul de forma virtual por aplicativos instalados nos celulares dos motoristas. Neste sábado, 5, será publicado no Diário Oficial da Cidade o chamamento público para empresas interessadas em desenvolver o Cartão Azul Digital (CAD) da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e disponibilizar ainda neste ano, segundo o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto. 

Os motoristas poderão carregar seus aplicativos a qualquer momento a partir de pagamentos nos cartões de débito, crédito ou com boletos bancários. Tatto explicou que os usuários da nova plataforma podem deixar de usar o app como “uma carteira” virtual, já que a tecnologia vai permitir que os motoristas deixem um saldo para ser descontado a cada hora em uma das 38.972 vagas de Zona Azul disponíveis hoje na capital paulista. 

Apesar de manter os talões físicos disponíveis para venda em comércios, a ideia da Prefeitura é que o motorista migre aos poucos para a tecnlogia e possa ver, antes de sair de casa, as vagas disponíveis no destino fazendo a reserva pelo celular. O valor da cobrança também vai ser mantido: de 30 minutos a seis horas. “Estamos migrando para o parquímetro virtual. Vai chegar o momento que vamos ver a vaga de estacionamento antes de sair de casa”, disse o secretário. 

Fiscalização. Os agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) vão utilizar aparelhos eletrônicos para checar se os carros pagaram a cobrança virtual. Os marronzinhos vão usar os equipamentos já utilizados hoje para autuações e checar as placas dos carros. 

A informação vai para uma central de monitoramento que vai cruzar os dados do aplicativo, da vaga e da CET. Caso seja constatado que não houve o pagamento, o agente vai fazer a autuação na rua. Tatto disse que a Prefeitura pretende aplicar as multas de forma remota. Para isso, no entanto, é preciso autorização do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). 

O órgão do Ministério das Cidades também vai precisar avaliar a possibilidade da cobrança ser fracionada. Caso o motorista utilize o espaço por 15 minutos ele pagará apenas pelo tempo que utilizou o espaço. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.