Prefeitura cassa alvará do Shopping West Plaza

A Prefeitura cassou o alvará de funcionamento do Shopping West Plaza, localizado na Pompeia, zona oeste. Aberto em 1991, o empreendimento deve ser lacrado nos próximos dias. O centro comercial ainda foi multado em R$ 300 mil ontem. Entre as irregularidades, o shopping construiu área adicional de lojas em 2004 sem informar o governo. Outros 14 shoppings da capital suspeitos de terem ampliado de forma ilegal seus espaços comerciais podem ter o alvará cassado até o fim do mês.

O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2012 | 03h05

O West Plaza também está sendo investigado no Ministério Público Estadual (MPE) sob suspeita de ter um de seus laudos de segurança obtido por meio de propina paga a bombeiros. O laudo teria sido usado pelo shopping para a concessão de sua licença definitiva de funcionamento, concedida em 2006. Os shoppings Pátio Higienópolis, Raposo, Paulista e Vila Olímpia também são investigados por suspeita de terem comprado laudos que facilitavam a emissão de alvarás. Outros dez centros que estão sem documentação regular funcionam amparados com decisão liminar.

O West Plaza tem cinco dias úteis para regularizar a situação. Caso não o faça, receberá nova multa e terá outros 30 dias corridos para a defesa. A área jurídica do centro deve tentar também uma liminar na Justiça para impedir a interdição da Prefeitura. Procurada ontem, a Assessoria de Imprensa do empreendimento disse que, por enquanto, não se pronunciaria. O centro tem 111 mil metros quadrados, 218 lojas e cerca de 3.500 funcionários.

Investigação. A Prefeitura e o Ministério Público suspeitam que pelo menos 20 mil metros quadrados foram construídos de forma irregular pelo West Plaza, pois não constavam na planta original do shopping, aprovada em 2006. Pelo menos três testemunhas, em depoimentos ao MP, denunciaram supostos pagamentos de propina ao ex-diretor do Aprov Hussain Aref Saab para ganhar vantagens indevidas. Todas são ex-funcionários da Brookfield Gestão de Empreendimentos (BGE), empresa que controla shoppings da capital investigados pela promotoria, como o Pátio Higienópolis, o Raposo e o próprio West Plaza.

No caso do Higienópolis, Aref teria recebido R$ 1 milhão durante obras de ampliação, em 2009. O shopping teve a licença cassada no mês passado, acusado de não ter vagas suficientes de estacionamento. A empresa, o shopping e o ex-diretor negam irregularidades. / DIEGO ZANCHETTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.