Prefeitura alega remover 1,1 mil anúncios por dia

A Prefeitura de São Paulo afirma que faz mais de 1,1 mil remoções de anúncios diariamente. De acordo com a administração municipal, de janeiro a julho deste ano foram recolhidas mais de 230 mil propagandas irregulares na cidade.

O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2013 | 02h12

No ano passado, apenas em janeiro, a administração municipal havia registrado mais de 250 mil remoções. A atual gestão se justifica, afirmando que mudou a maneira de contar os anúncios retirados. "Não houve mudança na fiscalização, mas houve alteração na contabilidade das propagandas irregulares removidas: os lambe-lambes não são mais contabilizados", afirma a administração municipal, por meio de nota.

Segundo a Prefeitura, entre os materiais apreendidos estão banners, faixas, placas e cavaletes. "É importante frisar que no caso da grande quantidade de lambe-lambes espalhados pela cidade, as subprefeituras realizam a coleta diariamente, juntamente com os serviços de varrição e manutenção de locais públicos, entre outros", afirma o comunicado da Prefeitura. A nota ressalta ainda que todos os postes passam por processo de raspagem.

A Prefeitura não respondeu sobre qual é o projeto da gestão de Fernando Haddad (PT) para a Lei da Cidade Limpa. A nota apenas afirmou que não há na Comissão de Proteção à Paisagem Urbana nenhuma lei para permitir a utilização de anúncios em mobiliário urbano.

Duas alterações já foram feitas pela gestão, por meio de decretos. O prefeito primeiramente liberou, em fevereiro, os cartazes nos cinemas e teatros. Essa é a legislação que a administração usa para o informativo da Galeria Olido. Há duas semanas, a gestão autorizou também ônibus e táxis a veicular por 30 dias uma campanha promovida por empresários (Pedala SP) para incentivar o uso de bicicletas na cidade./A.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.