Prefeitura ainda não definiu novo valor do bilhete único mensal

Valor de R$ 140 havia sido calculado com base no preço atual da passagem, R$ 3, que deixa de vigorar no dia 2 de junho, quando sobe para R$ 3,20

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

23 Maio 2013 | 14h52

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo ainda não definiu o valor que o bilhete único mensal terá com o preço reajustado da tarifa de ônibus. Inicialmente, o cartão mensal custaria R$ 140. Esse patamar, no entanto, havia sido calculado com base no preço atual da passagem, R$ 3, que deixa de vigorar no dia 2 de junho. O bilhete subirá para R$ 3,20.

"Foi dito em janeiro (que o preço anteriormente anunciado de R$ 140) é o valor de 1º de janeiro de 2013. Os cálculos foram feitos durante a campanha", afirmou o prefeito Fernando Haddad (PT) nesta quinta-feira, 23.

Ele foi questionado, mas não disse se esse preço deve aumentar com o reajuste da tarifa. O preço anterior tinha como base 46 viagens de ônibus por mês (uma de ida e outra de volta por dia em 23 dias úteis). Haddad não confirmou se a lógica continuará sendo essa para o provável novo valor do bilhete único mensal.

"Não é bom especular, porque às vezes você faz a pessoa ficar preocupada com uma coisa que não é uma preocupação", declarou durante evento na Vila Olímpia, na zona sul.

O bilhete único mensal começa a valer em novembro. O cadastro dos interessados em utilizá-lo já começou e é feito no site http://www.sptrans.com.br. Ainda não se sabe se o Metrô e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), administrados pelo governo do tucano Geraldo Alckmin, adotarão o cartão, uma das principais bandeiras políticas do petista Haddad.

Mais conteúdo sobre:
bilhete únicomensal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.