FABIO ARANTES / PREFEITURA DE SP
FABIO ARANTES / PREFEITURA DE SP

Prefeito promete terminar obra de hospital no Carrão

Obras na zona leste foram paralisadas há um ano; Doria faz promessa de retomada, mas não citou prazos

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

05 Fevereiro 2017 | 22h18

SÃO PAULO - O prefeito João Doria (PSDB) se comprometeu neste domingo a terminar as obras do Hospital Dia da Vila Carrão, zona leste, iniciadas na gestão do prefeito Fernando Haddad (PT), mas paralisadas um ano atrás. Localizado na Rua Conselheiro Carrão, o prédio abrigou uma unidade privada, que desocupou o imóvel há cerca de dez anos. Hoje, ele está abandonado, com janelas quebradas e paredes pichadas.

Parte da obra será custeada por emendas parlamentares da deputada federal Keiko Ota (PSB) e de seu marido, o vereador Ota, do mesmo partido. Segundo a deputada, Doria poderá utilizar mais de R$ 10 milhões em emendas aprovadas por ela na Câmara dos Deputados. O valor total da reforma ainda será calculado. 

A gestão passada alega que o atraso na reforma do hospital ocorreu em função de problemas estruturais no prédio. E porque as emendas aprovadas eram para uma construção nova, quando o correto era aprovação para uma reforma. 

Apesar de ter prometido a conclusão do hospital, o tucano não citou prazos. “Vou retomar as obras e terminar o Hospital do Carrão. Isso é compromisso do prefeito”, disse neste domingo, 5, durante mais uma ação do Mutirão Mario Covas de calçadas. 

‘Guerra do spray’. No mesmo evento, Doria voltou a classificar pichadores que atuam na cidade como “bandidos” e buscou apoio popular para comprovar sua declaração. Como um apresentador de TV, perguntou a cerca de 200 pessoas que o acompanhavam  neste domingo: “Pichador é bandido ou não é?”. Em coro, as pessoas responderam: “É”. A afirmação foi dada pela primeira vez por ele no sábado, em entrevista à Rádio CBN. Antes, afirmou que gostaria de deixar claro que “grafiteiros são artistas” e esses sim terão espaço na cidade.

Quatro pichadores foram flagrados neste domingo pelo zelador de um prédio na República e denunciados à PM. No sábado, a GCM já havia detido dois homens que pichavam os muros de uma escola na zona norte. Desde 1º de janeiro, 54 pessoas foram levadas a delegacias por pichação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.