Prefeito de Praia Grande-SP lamenta arrastão

Roberto Francisco dos Santos disse que pretende duplicar o número de câmeras do sistema de monitoramento

Rejane Lima, de O Estado de S. Paulo,

02 Janeiro 2009 | 19h29

O prefeito de Praia Grande, Roberto Francisco dos Santos (PSDB) lamentou a ato de vandalismo ocorrido na cidade na primeira madrugada do ano e afirmou que a prefeitura pretende duplicar o número de câmeras do sistema de monitoramento da cidade nos próximos três anos.     Veja também: Veja vídeo das câmeras da polícia na hora do arrastão  Confira dicas para o verão no blog Verão09 Fotos de banhistas aproveitando o verão    Fotos da virada de ano no Brasil e no mundo    "Já temos 1.200 câmeras e um cabo de fibra ótica de 120 quilômetros em nossa cidade, mas quanto mais câmeras houver melhor, pois acaba inibindo a violência. É uma segurança preventiva", disse o prefeito. As imagens que mostram a ação dos vândalos já foram encaminhadas pela prefeitura à Polícia Civil, que investiga a ocorrência.   O prefeito afirmou que um balanço com os prejuízos da prefeitura que teve lixeiras, sinalizações e pontos de ônibus destruídos será divulgado na segunda-feira. "Infelizmente quem vai pagar o prejuízo público será a população que paga os impostos", disse Santos, afirmando que embora na temporada o efetivo da Polícia aumente as vezes é muito difícil controlar a situação, com a população de Praia Grande aumentando de 250 mil pessoas para 1 milhão e 200 mil.   "Temos condições de ter controle, mas às vezes quando as pessoas querem festejar demais abusam e acontece o pior. É como em uma grande partida de futebol, quando as coisas ficam fora de controle com as torcidas se empolgando um pouco mais", comparou o novo prefeito.   Polícia   A respeito das denúncias divulgadas na edição de ontem do Estado de que a Polícia Militar teria abusado do uso da força e detido inocentes, a PM divulgou que utilizou de força moderada e de equipamentos não letais para conter o tumulto, alegando que não houve registro de nenhum ferido grave. Segundo a PM, todos os detidos estavam sim envolvidos de alguma forma com o ato de vandalismo e que a atuação priorizou o restabelecimento da ordem pública.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.