SERGIO CASTRO/ESTADÃO.
SERGIO CASTRO/ESTADÃO.

Prefeito acusa o antecessor de chantagem no ABC

Chefe do Executivo de São Caetano alegou pressão para aprovar contas de gestões anteriores; dossiê falaria em suposta corrupção

Alexandre Hisayasu, O Estado de S. Paulo

20 Junho 2015 | 03h00

SÃO PAULO - O prefeito de São Caetano do Sul, Paulo Nunes Pinheiro (PMDB), registrou queixa formal na Polícia Civil por crimes de ameaça, calúnia e falsificação de documentos contra o seu antecessor, o médico José Auricchio Júnior (PTB), que também foi secretário estadual de Esportes, entre 2013 e 2015, no governo de Geraldo Alckmin (PSDB). Auricchio nega. 

Na denúncia, consta que Auricchio teria em mãos um dossiê comprometedor contra Pinheiro e ameaçava divulgar o documento, caso o prefeito não intercedesse a seu favor, negociando com os vereadores da cidade para aprovar as contas do último ano da sua gestão, já rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), por apresentar um déficit de R$ 266 milhões. Auricchio governou a cidade por dois mandatos, de 2005 a 2012. 

A principal testemunha da história é o assessor especial da prefeitura, Marco Antonio Santos Silva, amigo em comum dos dois políticos. Ele afirmou à polícia que foi procurado por Auricchio e o irmão dele, Marcelo, na quarta-feira. No encontro, os dois deixaram um envelope lacrado e um recado que deveria ser dado ao atual prefeito pedindo apoio político para que a Câmara Municipal de São Caetano não rejeitasse as suas contas. Se isso não acontecesse, o teor dos documentos se tornaria público. As imagens das câmeras de segurança que mostram Auricchio e o irmão chegando ao escritório com o envelope estão com a polícia. 

Conta no exterior. O empresário se encontrou com o prefeito no dia seguinte. No documento, constam informações de que a mulher de Pinheiro, Maria da Graça Hereda Pinheiro, seria proprietária de um imóvel avaliado em US$ 960 mil, na Flórida (EUA), e seria, com o marido e o filho, dona de uma conta no First United Bank, com mais US$ 1,7 milhão, resultado de ganhos com suposta corrupção. 

Pinheiro desmente as acusações. “Nunca tive contas no exterior, muito menos a minha mulher. Não temos nem passaporte. Tudo isso é uma grande mentira criada por motivações políticas, ou seja, para me obrigar a trabalhar para aprovar as contas dele.” Maria da Graça ficou abalada com o teor das denúncias contidas no dossiê. “Ele (Auricchio) mexeu com a nossa família de maneira brutal. E vai responder por isso.”

O advogado do prefeito, André Gustavo Sales Damiani, informou que Pinheiro e a mulher vão prestar depoimento na polícia na semana que vem. “A família faz questão de que tudo seja investigado. No decorrer do inquérito pode ser pedida colaboração internacional das autoridades responsáveis para comprovar que essas denúncias são falsas”, afirmou.

Segundo o TCE, em 2012, no último ano como prefeito de São Caetano, Auricchio deixou um rombo de R$ 266 milhões nos cofres do município. A auditoria concluiu que a gestão parou de recolher tributos, como o 13.º salário de servidores, e o déficit representa 30% do orçamento da época. A prestação de contas será apreciada pelos vereadores nos próximos dias. Se também forem rejeitadas, o ex-prefeito pode ter os direitos políticos cassados e ficar inelegível por oito anos.

Auricchio diz que denúncias devem ser investigadas

José Auricchio Júnior negou as acusações de que tenha feito ameaças, por meio de recados, ao atual prefeito Paulo Nunes Pinheiro durante encontro com o assessor especial da Prefeitura, Marco Antonio Santos Silva.

Ele disse que recebeu os documentos contra Pinheiro na caixa de correio do seu escritório. Abriu o envelope e procurou Marco Antonio para que ele avisasse o prefeito.

“Nós dois vimos o teor das denúncias e achamos gravíssimas. Em nenhum momento, esse assunto (ameaça a Pinheiro) foi citado ou cogitado. A questão da Câmara pode ter sido discutida eventualmente, não me lembro, porque vários assuntos foram discutidos. Mas nunca nesse tom. Isso é uma ilação infundada, até porque o prefeito não participa das votações”, disse.

O ex-prefeito se mostrou surpreso com a rapidez da Polícia Civil em ouvir Marco Antonio e disse que as denúncias dos supostos crimes de corrupção contra Pinheiro são graves e devem ser investigadas. “Não sei quem fez as acusações. Só procurei o Marco Antonio para que ele avisasse o prefeito. Espero que a polícia investigue”, afirmou. 

Mais conteúdo sobre:
São Caetano do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.