Prédios oferecem bônus para atrair candidato a síndico

Diante da dificuldade de encontrar quem se disponha a assumir o cargo, edifícios vão além da isenção da taxa de condomínio

VALÉRIA FRANÇA, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2012 | 03h07

Boa parte dos condomínios faz assembleias para a eleição de síndico no próximo mês. Vem à tona um problema: encontrar um morador disposto a assumir a função, considerada a mais ingrata, porém necessária, na vida de um edifício. A novidade é que, para deixarem o cargo mais atraente, além de isentarem da taxa de condomínio, os prédios têm partido para o pagamento de bonificações - uma bolada adicional condicionada ao cumprimento de metas e boa avaliação.

Os valores variam de acordo com o tamanho do condomínio e da arrecadação. O beneficiário é o síndico e, em alguns casos, funcionários. No caso do síndico, a premiação surge como uma alternativa a um pró-labore mais elevado, comum em prédios de luxo, que chegam a pagar R$ 10 mil por mês.

Em muitos edifícios, há o medo de que o alto valor transforme o condomínio em cabide de emprego e vire uma segunda renda para o síndico sem se receber a contrapartida esperada para manutenção e valorização do imóvel. "E, para destituir um síndico, o Código Civil pede 50% dos moradores mais um", diz Hubert Gebara, vice-presidente de Administração de Condomínios do Secovi de São Paulo. Uma assembleia costuma ter a participação de 20% dos moradores.

O bônus surge então como garantia de bom serviço para os moradores e um incentivo para o síndico. No Up Side, condomínio-clube de 280 apartamentos no Paraíso, na zona sul, a professora aposentada Gilorma Ramos de Mattos, de 61 anos, foi a primeira síndica a receber uma gratificação de R$ 20 mil, em dezembro. "Fiquei feliz porque considero um reconhecimento do meu trabalho. Mas, ao mesmo tempo, me senti constrangida e muito surpresa", diz a síndica, que depois teve de lidar com uma série de críticas dos moradores ausentes à assembleia.

Aprimoramento. A figura do síndico, segundo Márcio Rachkorsky, consultor jurídico de mais de 400 edifícios, "é sempre muito polêmica e historicamente injustiçada". Quanto mais transparente a gestão, mais força na comunidade se ganha. "O perfil do síndico vem mudando. Não é mais aquele velho militar", diz Rachkorsky.

"A ideia do bônus é nova. Aumenta a transparência da gestão, mas, para dar certo, os prédios terão de aprimorá-la", afirma José Roberto Graiche, dono da administradora do Up Side. "A avaliação do síndico deve ser mais criteriosa."

Na maioria das assembleias, a análise do trabalho do síndico é feita com uma simples pergunta. Os moradores presentes levantam as mãos para concordar ou não com a gestão.

O Ilha de Capri, com 260 apartamentos em Perdizes, na zona oeste de São Paulo, caminhou nesse sentido. No fim de ano, é enviado um questionário com mais de 30 perguntas para todos os moradores. "O objetivo é medir a satisfação com o funcionamento do edifício e o trabalho dos funcionários e do síndico", diz a representante do condomínio Jussara Cunha, de 47 anos. "Em 2011, nenhum item ficou abaixo de 60% de satisfação", conta.

Avaliação. No questionário, os 20 funcionários têm seu desempenho avaliado. A partir do resultado, Jussara elege os quatro melhores. Neste ano, cada um recebeu bônus de R$ 80. "Eles ficam satisfeitos, trabalham melhor e ainda passam a ser mais respeitados."

Quando Jussara assumiu o cargo de síndico, ninguém mais do condomínio queria a função. "Temos muitos locatários, a grande maioria é estudante da PUC (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo)", explica. A decisão de "pegar o abacaxi", como ela costuma dizer, veio do temor de o imóvel começar a se desvalorizar pela falta de interesse dos moradores.

No primeiro ano, Jussara recebia pró-labore correspondente a um salário mínimo, isenção da taxa de condomínio e o valor de uma assinatura de TV a cabo. Mas agora só existe bônus para funcionários, não para a síndica.

Mesmo assim, Jussara se diz satisfeita. Quando assumiu em 2009, ela era o 7.º síndico do prédio em um ano. Já Gilorma, do UP Side, foi eleita depois de uma gestão conturbada, com síndico destituído na Justiça e que pouco antes havia pedido aumento de pró-labore. "O síndico deveria trabalhar, o conselho fiscalizar e os moradores deveriam participar das decisões tomadas no condomínio", diz Gebara. Mas, como não se vive no mundo ideal, os condomínios inventam maneiras de estimular essa participação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.