Prédio que desabou em Sorocaba (SP) em dezembro tem paredes escoradas

Local é tombado pelo patrimônio histórico e está sendo adaptado para funcionar como shopping

José Maria Tomazela,

07 Janeiro 2013 | 17h09

SOROCABA - As paredes do prédio histórico que desabou parcialmente na noite de 20 de dezembro causando a morte de sete pessoas começaram a ser escoradas nesta segunda-feira, 7, em Sorocaba (SP). A construtora Fonseca & Mercadante, responsável pelas obras, informou que a colocação de escoras metálicas evitará possível ocorrência de novos desabamentos. O projeto foi aprovado pela Defesa Civil do município.

O trabalho começou nas paredes que fazem divisa com o principal terminal de passageiros da cidade, por onde circulam diariamente mais de cem mil pessoas. A rua Comendador Oeterer, onde ocorreu o desabamento, continuará interditada até o final das obras, que devem levar cerca de trinta dias.

A construtora informou que uma equipe de especialistas iniciou estudos para reconstruir o trecho do muro que desabou. O prédio, de uma fábrica de tecidos construída em 1913 e tombada pelo patrimônio histórico, está sendo adaptado para funcionar como shopping. As causas do acidente estão sendo investigadas pela Polícia Civil. Chovia muito quando a parede de tijolos com dez metros de altura caiu sobre quatro carros e uma moto. As sete pessoas que morreram estavam nos veículos. Uma oitava pessoa foi resgatada com vida, embora muito ferida, mas já recebeu alta hospitalar.

Mais conteúdo sobre:
prédiodesabamentoSorocaba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.