Prédio no Itaim é o 20º alvo de arrastão neste ano

Cinco ladrões invadiram o condomínio, fugiram com pertences e agrediram três moradores; uma criança de 12 anos foi rendida

Camilla Haddad - Jornal da Tarde,

14 Agosto 2012 | 15h29

Texto atualizado às 23h13.

SÃO PAULO - Moradores de seis apartamentos do Edifício Icaraí, no Itaim-Bibi, na zona sul de São Paulo, foram alvo nesta terça-feira, 14, do 20.º arrastão em condomínios na capital paulista neste ano. Entre as vítimas estava uma criança de 12 anos. Os cinco criminosos ficaram quase seis horas no prédio – das 2h50 até as 8h30. Pegaram dinheiro, joias e notebooks e conseguiram fugir. Na ação, três pessoas levaram coronhadas.

Um dos funcionários do edifício chegou a ser levado para a delegacia à tarde, mas até a noite desta terça-feira, 14, o Departamento de Investigações Criminais (Deic) negou que ele estivesse preso por envolvimento no crime. A polícia diz que os assaltantes chegaram a pé na Rua Doutor Andrade Pertence. Estavam armados com pistolas e não esconderam o rosto, pois sabiam que o sistema de câmeras de monitoramento não estava funcionando.

Segundo o porteiro da noite, a quadrilha entrou no prédio pelos fundos, onde há uma obra de um hospital. Para isso, o bando teria escalado um muro de 4 metros. Depois de dominar quem estava tomando conta da portaria, eles fizeram uma varredura no edifício. Foram até a garagem, perguntaram sobre os donos dos carros mais caros e depois tentaram descobrir os números dos apartamentos dos proprietários. Logo depois, os bandidos se trancaram em um banheiro até as 6 horas.

Conforme as pessoas iam saindo para o trabalho, eram abordadas pelos assaltantes. "Umas três ficaram trancadas em um depósito aqui na garagem", contou um advogado que mora no local. "Minha mulher viu pelo olho mágico quando um deles bateu na porta do meu vizinho, mas ele não abriu."

Agressões. O advogado, que não teve o apartamento invadido, disse que um dos ladrões deu uma coronhada em uma mulher. O porteiro da manhã também foi golpeado na cabeça com uma arma. "O corte foi profundo", contou outro morador.

Uma terceira vítima também levou uma coronhada porque tentou ligar para o 190. A atitude dele irritou um dos ladrões, que passou a ameaçá-lo de morte.

Para policiais, os cinco suspeitos eram amadores. Em um dos apartamentos um deles disparou a arma acidentalmente. A bala atingiu a parede. Houve uma rápida discussão entre eles. Testemunhas contaram que o bando se comunicava por rádio e usava nomes como Jubileu, Marconi e Casagrande.

Os moradores disseram que não é comum ter assaltos na rua. "Aqui é um prédio que não chama a atenção. Não esperávamos isso", contou o morador. O prédio invadido tem dois apartamentos por andar e cada imóvel tem até 110 metros quadrados. "Aqui é uma rua muito tranquila, não se ouve falar em assalto", disse uma aposentada.

Mais conteúdo sobre:
arrastãoitaim bibi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.