Prédio nem sequer é da Prefeitura

A QUEM RECLAMAR

DIEGO ZANCHETTA, RODRIGO BURGARELLI, O Estado de S.Paulo

08 Janeiro 2013 | 02h03

O Othon Palace Hotel, no centro de São Paulo, foi um dos símbolos da hotelaria de luxo da capital nos anos 1960 e 1970. A degradação do centro, porém, também atingiu o hotel, que acabou encerrando as operações em 2008. Desde então, o prédio está fechado. Em 2011, a gestão Gilberto Kassab (PSD) contratou um escritório de arquitetura para fazer um projeto de reforma do edifício, que abrigaria órgãos municipais. Até hoje, porém, o prédio não foi desapropriado.

Sugestões para a coluna?

1. Qual é a história do Othon Palace Hotel? O hotel foi fundado em 1954, durante as festas do aniversário de 400 anos de São Paulo. Em sua época de ouro, nos anos 1960 e 1970, chegou a receber chefes de Estado como a rainha Elizabeth II, do Reino Unido, em 1968. No último andar, ficava um dos restaurantes mais luxuosos da capital paulista, o Chalet Suisse, com vista para o Vale do Anhangabaú.

2. Por que ele fechou? Com o processo de degradação do centro histórico durante os anos de 1970 a 1990, os hóspedes de hotéis de luxo passaram a preferir endereços que foram sendo abertos em regiões como as Avenidas Paulista e Engenheiro Luís Carlos Berrini, na zona sul. Por causa disso, o Othon teve de cortar o preço das diárias e parou de dar lucro. Até que, em 2008, fechou as portas.

3. Qual foi a proposta feita pela Prefeitura? Em 2009, o prédio foi declarado de utilidade pública e, no início de 2011, a gestão Gilberto Kassab (PSD) pagou R$ 141 mil a um escritório de arquitetura para fazer um projeto de transformar o hotel em escritórios. O prédio fica na Rua Líbero Badaró, perto da Prefeitura, e abrigaria órgãos próximos ao prefeito, como a Secretaria de Planejamento. Um túnel de 50 metros ligaria o edifício à sede da administração municipal.

4. Por que essa ideia foi cogitada? Uma das maneiras mais defendidas para se revitalizar o centro é trazer órgãos públicos para a região e incentivar o trânsito de pessoas. Além disso, funcionários municipais afirmam que é bom para a Prefeitura que seus órgãos fiquem perto uns dos outros - várias secretarias ainda estão espalhadas longe do centro, como a de Educação, na Vila Clementino, zona sul.

5. O que diz a atual gestão? A assessoria do prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou que o processo de desapropriação foi interrompido ainda na gestão Kassab, assim que o prédio foi ocupado por um grupo de sem-teto. O órgão afirmou que ainda está estudando se vai continuar ou não com o projeto.

MANDE DICAS E COMENTÁRIOS PARA: DIEGO.ZANCHETTA@GRUPOESTADO.COM.BR OU RODRIGO.BURGARELLI@GRUPOESTADO.COM.BR.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.