Prédio foi projetado por europeus

O Edifício Pauliceia é um dos maiores símbolos da Avenida Paulista. Ele foi erguido em 1959 no terreno do que foi a primeira casa da avenida, ao lado do atual prédio da Gazeta, e representou o fim da Paulista dos casarões dos agricultores, comerciantes e intelectuais.

/ RODRIGO BURGARELLI, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2012 | 02h01

No prédio de 240 apartamentos, já moraram personalidades como o marchand Pietro Maria Bardi, o ator Marco Nanini, o maestro Diogo Pacheco e os cantores Paulo Sérgio e Wilson Simonal.

O edifício foi projetado por dois arquitetos estrangeiros: o francês Jacques Pilon, morto em 1962, e o italiano Gian Carlo Gasperini, sócio do escritório de arquitetura Aflalo & Gasperini.

Antigo adepto da art déco, Pilon foi incorporando os princípios modernistas ao longo de sua carreira. O Pauliceia é um dos principais exemplos dessa fase e contém elementos que já haviam aparecidos antes em sua trajetória, como na construção do Edifício Santo André, em Higienópolis.

Já Gasperini veio para o Brasil e conheceu a arquitetura modernista brasileira em seu auge, nos anos 1950. É também de sua autoria o complexo do World Trade Center, em São Paulo. Por causa de sua importância arquitetônica, o Pauliceia foi tombado pelo órgão estadual do patrimônio histórico, o Condephaat, em 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.