Reginaldo Pupo/Estadão
Reginaldo Pupo/Estadão

Praias de São Sebastião 'viram' cidades

Turistas confundem points badalados, como Maresias, Juqueí e Camburi, com municípios; mercado imobiliário tira proveito de equívoco

REGINALDO PUPO, SÃO SEBASTIÃO, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2012 | 02h05

A cidade de São Sebastião, no litoral norte, tem perdido sua identidade. A fama de suas principais praias, como Maresias, Juqueí, Camburi e Barra do Sahy, ofusca o município. Bairros da costa sul começaram a ter vida própria por causa da distância do centro - de ponta a ponta, São Sebastião tem cerca de 120 quilômetros de extensão. Já até houve duas tentativas de emancipar as praias. Em vão.

Turistas, no entanto, emancipam informalmente diversas praias badaladas da cidade. Muitos visitantes conhecem as praias pelo nome, mas desconhecem que elas ficam em São Sebastião. A principal é Maresias, que desavisados - e não são poucos - juram se tratar de uma cidade do litoral norte.

É comum também ver peças publicitárias, principalmente de empreendimentos imobiliários, que se referem às praias da costa sul de São Sebastião como se fossem cidades.

De tanto ver Maresias em comerciais de TV, fotos na internet e em revistas, o empresário Ricardo Otaviano, de 39 anos, de Ribeirão Preto, decidiu conhecer a "cidade". Ao planejar a viagem, disse que procurou o município no mapa. Não achou. "Até pensei em ligar na prefeitura de Maresias para obter mais informações. Após pesquisar na internet é que percebi que Maresias não era uma cidade, mas uma praia de São Sebastião. Paguei mico na frente de amigos", diz.

A estilista Ana Paula Nunes Chialba, de 26 anos, da capital, fez a mesma confusão. "Eu jurava que Camburi e Barra do Sahy eram cidades. Vejo anúncios nas Praias de Juqueí, Baleia e Jureia como se fossem cidades. Tenho casa em Camburi e nunca tive curiosidade de reparar nas contas de água, luz e telefone onde realmente moro. Agora sei que é um bairro", diverte-se.

O comércio local também contribui para a descaracterização de São Sebastião. Hotéis e pousadas destacam em seu material de divulgação que ficam situados nas praias. "Ninguém conhece São Sebastião, mas conhecem Maresias. Então, tenho de divulgar Maresias. Se eu colocar São Sebastião, ninguém aparece", diz o proprietário de uma pousada, que preferiu o anonimato.

Quem também viaja para o litoral norte de ônibus pelo Terminal Rodoviário do Tietê percebe que no guichê da linha São Paulo-São Sebastião há venda de passagens para Maresias e Boiçucanga como se fossem municípios.

Sem problemas. O secretário adjunto de Governo da prefeitura de São Sebastião, Igor Veltman, diz que o município não vê problemas no fato de as praias levarem a fama. "Na realidade, trata-se de mais um atrativo turístico de São Sebastião que está sendo divulgado e esse retorno é bom para a cidade, já que potencializa os benefícios com a vinda de turistas, especialmente para a rede hoteleira", diz.

Segundo a Secretaria de Cultura e Turismo de São Sebastião, o município está participando de um processo de inscrição em um projeto de propaganda institucional no Ministério do Turismo. A pasta explica que o objetivo é "vender" São Sebastião aproveitando suas praias e suas belezas naturais.

O projeto, que ainda está em estudo, pretende destacar quais praias famosas pertencem ao município. A veiculação está prevista para cidades do interior e outros Estados que não são banhados pelo mar. Ainda segundo a secretaria, está previsto um projeto de comunicação visual para tentar sanar a confusão.

Mais conteúdo sobre:
praiaSão SebastiãoMaresias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.