Posto que vendia metanol é interditado pela terceira vez em SP

Estabelecimento no bairro da Casa Verde oferecia metanol misturado ao álcool combustível

Marcela Gonsalves, estadão.com.br

22 de junho de 2011 | 19h40

SÃO PAULO - A Secretaria de Controle Urbano interditou pela terceira vez um posto de combustível por questões de segurança nesta quarta-feira, 22. O Santo Antonio Auto Posto, localizado no bairro da Casa Verde, zona norte de São Paulo, vendia metanol misturado ao álcool combustível. Foram encontrados 45 mil litros do produto, cuja venda é proibida.

Ao lado do posto foi identificado um galpão com tanques clandestinos e dois caminhões tanques. Um dos caminhões era utilizado para adulterar o combustível e servia de "batedeira", nome popularmente conhecido para a mistura clandestina de produtos combustíveis. Os funcionários do posto foram levados para o Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC) para prestarem depoimento.

O posto havia rompido a interdição imposta pelo Departamento de Controle do Uso de Imóveis (Contru) duas vezes. A primeira interdição aconteceu em janeiro de 2010 por problemas de segurança e ausência de diversos documentos exigidos para o funcionamento do local. Em fevereiro deste ano, o Contru relacrou o posto, que novamente violou a interdição.

Segundo a Secretaria de Controle Urbano, os funcionários do posto não usavam qualquer tipo de proteção e para sofrerem contaminação bastaria uma pequena quantidade de metanol em contato com a pele ou inalada pela pessoa.

O metanol ou álcool metílico é um composto químico encontrado na forma líquida, inflamável e possui uma chama invisível. O produto é altamente tóxico e pode ser fatal quando inalado ou ingerido. Em contato com a pele ou com os olhos, é rapidamente absorvido pelo organismo e pode causar cegueira e parada cardíaca. A mistura do produto ao álcool é impossível de ser detectada a olho nu e só pode ser auferida em laboratório.

Tudo o que sabemos sobre:
postofechamentometanolSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.