Possíveis desapropriações

Li a reportagem Linha 6 vai desapropriar até 350 imóveis, do dia 10/6, e desde então tenho dificuldade para entrar em contato com o Metrô, para obter mais informações. Em seu comunicado a empresa fala sobre a desapropriação na Avenida Angélica de forma duvidosa e muito imprecisa. Alega muitos estudos antes de qualquer decisão, mas não informa qual é a sua decisão, o tempo de duração e o porquê de, eventualmente, implodir prédios para construir a Estação na Angélica, que ficará próxima de uma estação na Rua Piauí. O bairro de Higienópolis já está bem servido de ônibus, a maioria dos seus moradores tem carros e há outras estações do Metrô nas imediações. Quero me informar sobre as desapropriações, pois estamos sem poder vender ou alugar nossos imóveis em razão da notícia.

, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2010 | 00h00

REGINA HELENA SÁRAPO / SÃO PAULO

O Metrô reafirma que ainda não é possível saber a localização exata das futuras estações e quantos e quais imóveis serão desapropriados para a construção da Linha 6-Laranja, ainda em fase de elaboração do projeto básico. Destaca que suas linhas são planejadas com base em informações da pesquisa Origem/Destino, que traça um amplo panorama dos deslocamentos na região metropolitana de

São Paulo. A pesquisa aponta que a região da Avenida Angélica tem demanda suficiente para a construção de uma nova estação. Quando concluída, afirma, a Linha 6-Laranja irá transportar 600 mil passageiros por dia. Informa ainda já ter entrado em contato com a leitora para prestar esclarecimentos e ainda segue à disposição dela por meio do Fale Conosco, no site www.metro.sp.gov.br e/ou por meio

da Ouvidoria, nos telefones (11) 3371-7274 e (11) 3371-7275, de 2ª

a 6ª feira, das 8 horas às 11h30 e das 13 horas às 16h30.

POSTO DE GASOLINA

Perigo e barulho

Moro no Brooklin e há um posto de gasolina nos fundos de minha residência que esteve fechado por muitos anos. Ele foi reaberto e instalaram bombas de gás GNV. O barulho gerado por elas é muito grande e causa um grande transtorno para a vizinhança, já que são ligadas das 6 às 23 horas. Apesar de terem construído um outro muro à prova de explosão, nos fundos do posto há 10 casas e uma escola infantil com 200 crianças. Já acionei o Psiu e a Petrobrás, que até agora nada fizeram.

PAULO VASQUES / SÃO PAULO

A Subprefeitura de Pinheiros informa que o posto de gasolina na

Rua Conceição de Monte Alegre possui licença de funcionamento deferida em março de 2010. O Programa de Silêncio Urbano (Psiu) programou, para os próximos dias, uma vistoria no local para realizar medição dos níveis de ruído emitidos pelas bombas de gás GNV. Explica que as ações do Psiu são realizadas com apoio da Polícia Militar, da Guarda Civil Metropolitana, das subprefeituras e de outros órgãos municipais, quando necessário. Dessa forma, as fiscalizações necessitam ser programadas antecipadamente.Caso sejam constatadas irregularidades, as devidas providências serão tomadas, conforme a legislação vigente. Acrescenta que denúncias ou solicitações podem ser feitas pelo 156, nas praças de atendimento das subprefeituras ou pelo http://sac.prefeitura.sp.gov.br/

A Petrobrás Distribuidora informa que, em breve, será instalado

no citado posto revendedor um dispositivo (cabine acústica) que reduzirá o ruído durante a operação do compressor de GNV.

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO Burocracia

Desde o final do ano passado está sendo construído na Rua Medeiros de Albuquerque, na Vila Madalena, um prédio comercial vizinho à minha residência. Como a edificação não possui recuo lateral, em janeiro deste ano me dirigi à Subprefeitura de Pinheiros para descobrir se a obra está de acordo com o que foi aprovado pela Prefeitura. Os funcionários da subprefeitura se negaram a fornecer qualquer informação e disseram que eu deveria fazer uma queixa pelo SAC, na internet. Fiz um pedido de vistoria em 23/1, porém, até hoje não foi realizada, segundo informação extraída do site. A obra já atingiu

três andares e, se houver alguma irregularidade, certamente será muito difícil adotar qualquer medida.

MARIA FERNANDA DE MOURA E SOUZA / SÃO PAULO

A Subprefeitura de Pinheiros esclarece que a planta aprovada prevê um imóvel com subsolo e três blocos de dois andares, que acompanham o perfil natural do terreno, em aclive entre a Rua Medeiros de Albuquerque e a Rua Patápio Silva. Diz que, dessa forma, os recuos laterais não são exigidos, uma vez que a edificação não excede o gabarito de 6 metros. Nos próximos dias, técnicos da subprefeitura realizarão vistoria no local e, na possível constatação de irregularidades, as devidas providências serão tomadas, conforme legislação vigente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.